Esposa de deputado do AM é condenada pela Justiça por improbidade administrativa

A família de Silas Câmara (Composição/Weslley Santos/CENARIUM)
Carol Veras – Da Cenarium*

MANAUS (AM) – A Justiça do Acre condenou a deputada federal Antônia Luciléia da Cruz Ramos (Republicanos-AC), esposa do pastor e deputado federal Silas Câmara (Republicanos-AM), por improbidade administrativa. Segundo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a parlamentar da bancada evangélica usou verba da Câmara dos Deputados para remunerar um empregado particular que atuava na emissora religiosa de propriedade da filha, Milena Ramos Godoy (PP-DF), que também é atingida pela decisão judicial.

Conforme denúncia do funcionário Madson de Paula Barbosa, Antônia Lúcia usou recursos da instituição legislativa para remunerá-lo pelo trabalho em operações da mídia religiosa de sua família. Milena, que é profissional odontológica e foi candidata à Câmara em 2022, foi implicada junto à mãe após Madson cobrar o reconhecimento de vínculo trabalhista com a empresa Rádio e Televisão Boas Novas Ltda, de propriedade de Milena, localizada na cidade de Feijó, no Acre.

A juíza Luzia Farias da Silva Mendonça, da 2ª Vara Federal Cível e Criminal do Acre, concluiu que o recebimento de salários da Câmara dos Deputados resultava de uma possível nomeação não autorizada para um cargo no gabinete de Antônia Lúcia, sem nunca ter ocupado cargo público.

PUBLICIDADE

Em síntese, [o MPF e a União] sustentam que a ré Antônia Lucileia nomeou Madson de Paula Barbosa para o cargo em comissão de secretário parlamentar de seu gabinete no período de 14/02/2011 a 08/10/2012 sem que o referido comissionado prestasse serviços nessa função, já que na realidade prestava serviços de forma exclusiva à empresa Rádio e Televisão Boas Novas, que tem como sócia-administradora a ré Milena Ramos Câmara. Nesse cenário, afirmam que o ato de enriquecimento ilícito consistiria no custeio de servidor público com recursos do erário para uso particular na empresa mencionada, desviando-se das atribuições do cargo para o qual foi nomeado”, observou a juíza Luzia Farias da Silva Mendonça, da 2ª Vara Federal Cível e Criminal do Acre.

Madson evidenciou que, enquanto designado no escritório de Antônia Lúcia em Brasília de fevereiro de 2011 a outubro de 2012, trabalhava como técnico de manutenção na estação de rádio familiar em Feijó. Ele alegou nunca ter visitado a capital federal e afirmou ter sido nomeado na Câmara dos Deputados sem seu consentimento.

A magistrada também esclareceu que o funcionário nunca chegou a ir até Brasília a serviço da Câmara. “Também é certo que o reclamante jamais esteve em Brasília ou a serviço do Congresso Nacional, permanecendo vinculado à empresa reclamada, exercendo as mesmas atividades durante todo o período contratual”, escreveu a juíza, na sentença.

Deputada Antônia Luciléia (Reprodução/Câmara dos Deputados)

A juíza apoiou a posição do MPF de que Antônia Luciléia cometeu crime de enriquecimento ilícito novamente ao usar fundos públicos para remunerar um funcionário privado. Ambas foram condenadas à perda dos direitos políticos por 10 anos, multadas pelo montante total pago a Madson Barbosa durante seu período na Câmara dos Deputados e foram proibidas de contratar com o poder público ou receber benefícios fiscais por uma década.

A CENARIUM questionou a deputada Antônia Luciléia e o deputado Silas Câmara sobre a condenação e aguarda retorno.

A cassação de Silas Câmara

Luciléia e Silas Câmara já haviam sido condenados, em 2018, quando tiveram seus direitos políticos cassados pela Justiça Federal do Acre por improbidade administrativa, enriquecimento ilícito e prejuízo ao erário público.

Em 2023, o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) formou maioria favorável à cassação do mandato do deputado federal Silas Câmara, com quatro votos. Além de ser deputado e líder da Frente Parlamentar Evangélica, Silas Câmara também é empresário e pastor evangélico da Igreja Assembleia de Deus no Amazonas (Ieadam).

O parlamentar era acusado de captação e uso indevido de recursos financeiros durante a campanha eleitoral de 2022. A investigação foca em despesas relacionadas ao fretamento de aeronaves no Amazonas, que totalizam mais de R$ 396 mil. Em alguns casos, os voos foram utilizados por outras pessoas, incluindo deputados estaduais e familiares, não por Silas Câmara.

Meses depois, o TRE-AM voltou atrás e derrubou a cassação do deputado federal Silas Câmara. Com a decisão, o parlamentar não corria mais o risco de perder o mandato.

Ex-deputado religioso Silas Câmara (Reprodução/Câmara dos Deputados)
Leia também: MPE solicita que TRE rejeite recurso e avance em cassação de Silas Câmara

(*) Com informações do Metrópoles

PUBLICIDADE

O que você achou deste conteúdo?

Compartilhe:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.