Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de julho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações da Folha de S. Paulo

PARÁ – Em clima de campanha eleitoral em um evento oficial nesta sexta-feira, 18, que contou com gritos de “Lula, ladrão” e a presença do pastor Silas Malafaia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entregou 50 mil títulos fundiários em Marabá, na região sudeste do Pará.

O evento ocorreu em um parque de exposições e foi aberto. Logo no início, Bolsonaro pediu que uma “cerquinha” fosse aberta para que as pessoas pudessem se aproximar. O tom de campanha eleitoral esteve presente o tempo todo na cerimônia, seja em discursos de políticos locais, de Malafaia (Associação Vitória em Cristo) ou na fala do próprio Bolsonaro. Com aglomeração, não havia nenhum distanciamento entre as pessoas, muitas das quais nem sequer usavam máscaras.

No evento, o presidente recebeu duas camisetas de presente e uma caneca. Em uma das peças de roupa, que Bolsonaro levantou após olhar o que estava escrito, constava a frase “É melhor Jair se acostumando, Bolsonaro 2022”. Um apoiador recebeu o microfone do próprio Bolsonaro e defendeu garimpeiros e madeireiros.

No evento, o presidente recebeu duas camisetas de presente e uma caneca. Em uma das peças de roupa, que Bolsonaro levantou após olhar o que estava escrito, constava a frase “É melhor Jair se acostumando, Bolsonaro 2022”. Um apoiador recebeu o microfone do próprio Bolsonaro e defendeu garimpeiros e madeireiros.

Além de políticos da região, Malafaia discursou e fez críticas indiretas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele afirmou que “corrupto, bandido que saqueou esse país não vai mais enganar o povo brasileiro” e que esses, sem citar nomes, são “os verdadeiros genocidas”.

“Declaro que vão vir tempos de benção e prosperidade sobre o Brasil. Presidente Bolsonaro, os seus inimigos não prevalecerão contra você. Você com Deus é maioria sempre”, disse. Parte dos presentes já havia gritado “Lula, Ladrão, seu lugar é na prisão” antes de Geraldo de Melo Filho, presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), discursar.

Além do ex-presidente petista, também foi hostilizado com gritos semelhantes o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB). Em sua fala, Bolsonaro agradeceu a presença de Malafaia e disse que a entrega dos títulos fundiários afasta o risco de ações do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).

“Deixei para citar por último uma pessoa que me é muito grata, veio do Rio de Janeiro acompanhando a comitiva, uma pessoa que não me defende, fala a verdade […], que é o Silas Malafaia. Um gigante, um homem de fé, mas um homem que tem Deus, além de Deus no coração, ele o tem nas cores verde e amarela.”

Segundo o presidente, o homem só pode produzir se tiver segurança no que trabalha e que os títulos distribuídos nesta sexta permitirão isso. “Dessa forma, cada vez mais, nós afastamos as atividades nefastas do MST”, afirmou Bolsonaro.

O presidente voltou a criticar medidas restritivas da pandemia no país e disse que, se o homem do campo não tivesse trabalhado, o país teria desabastecimento.

Leia mais.