Ex-secretário do Procon Manaus pede prisão contra donos de postos por não reduzirem preço da gasolina

Da Redação

O ex-secretário do Procon Manaus, Rodrigo Guedes, divulgou em duas redes sociais na quinta-feira, 23, que protocolou no Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) um pedido de prisão aos donos de postos e distribuidoras de combustíveis que não reduziram o preço da gasolina de acordo com as reduções praticadas pela Petrobras, incorrendo em crime contra a economia popular e contra as relações de consumo.

A notícia-crime protocolada no órgão ministerial vem após uma série de ações que os órgãos de proteção e defesa do consumidor realizaram para baixar o preço, sem sucesso e pelo fato de que a Petrobras praticou uma série de reduções do preço da gasolina na refinaria, totalizando 52% somente esse ano e as distribuidoras e postos nenhuma redução. A batalha entre Procon e o mercado de combustíveis vem desde 2018, o que resultou numa série de subidas e descidas no preço.

De acordo com Rodrigo, atualmente, em alguns estados a gasolina já está sendo vendida a menos de R$ 3,00 e outros em 3,30 porém, em Manaus, permanece na média de R$ 4,35.

“Há 20 anos atua, de forma impune, um cartel de postos e distribuidoras na cidade de Manaus e a cada 10 centavos que não são reduzidos são retirados diretamente do bolso da população 10 milhões. Somando toda a não redução podemos chegar entre 100 a 150 milhões de reais de prejuizos à população somente nesses três meses e se somarmos todos os anos chegamos a casa dos bilhões de reais a menos para o consumidor. Não podemos aceitar isso.” finalizou Guedes.

A representação já está tramitando no Ministério Público com o número 11.2020.00000998-6 e o pedido de prisão poderá ser feito pelo Ministério Público ao Judiciário se assim entender cabível.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO