Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do G1

SÃO PAULO – A faixa etária dos jovens entre 20 e 29 anos é a que teve o maior aumento das mortes por Covid-19 na comparação entre o verificado no começo do ano e os dados coletados entre os dias 4 e 10 de abril, de acordo com o Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19, divulgado nesta sexta-feira, 23.

“A análise aponta que a faixa etária dos mais jovens, de 20 a 29 anos, foi a que registrou maior aumento no número de mortes por Covid: 1.081%”, aponta a Fiocruz. Nas idades de 40 a 49 anos houve o maior crescimento do número de casos, com alta de 1.173%.

Crescimento ao longo do ano

Considerando todas as faixas etárias ao longo do ano, desde a semana epidemiológica 1 (03/1 a 09/1) com a semana 14 (04/4 a 10/4), o aumento global foi de 642,80% para os casos de Covid e 429,47% para as mortes.

O maior aumento absoluto no número de mortes foi observado entre os jovens de 20 a 29 anos. No primeiro levantamento do ano realizado pela Fiocruz, foram observados 11 óbitos na faixa etária. Na última coleta de dados, esse número saltou para 130. A faixa etária que mais sofreu com o aumento no número de casos de Covid-19 foi a de 40 a 49 anos.

Dados revelam que no começo do ano foram observados 400 novos casos entre a faixa etária contra os 5.095 registrados no momento.

Abaixo, veja os percentuais por faixa etária:

  • 20 a 29 anos – 745,67% (casos) e 1.081,82% (óbitos)
  • 30 a 39 anos – 1.103,49% (casos) e 818,60% (óbitos)
  • 40 a 49 anos – 1.173,75% (casos) e 933,33% (óbitos)
  • 50 a 59 anos – 1.082,69% (casos) e 845,21% (óbitos)
  • 60 a 69 anos – 747,65% (casos) e 571,52% (óbitos)
Distribuição proporcional de óbitos por Covid-19 em hospitalizações segundo semana epidemiológica no Brasil — Foto: Reprodução/Fiocruz
Distribuição proporcional de óbitos por Covid-19 em hospitalizações segundo semana epidemiológica no Brasil (Reprodução/Fiocruz)

Taxa de letalidade continua a subir

O boletim voltou a alertar que houve novo aumento na taxa de letalidade. Segundo os pesquisadores, o índice se mantinha em 2% até o início do ano, subiu para 3% em março e, nas duas últimas semanas epidemiológicas, alcançou 4,5%.

“As maiores taxas de letalidade foram observadas no Rio de Janeiro (8,3%), Paraná (6,2%), Distrito Federal (5,3%), Goiás (5,2%) e São Paulo (5,1%). Os valores elevados revelam graves falhas no sistema de atenção e vigilância em saúde nesses estados, como a insuficiência de testes diagnóstico, identificação de grupos vulneráveis e encaminhamento de doentes graves” – Boletim da Fiocruz

Concentração de casos e óbitos por Covid nas faixas etárias segundo semana epidemiológica — Foto: Fiocruz/Reprodução
Concentração de casos e óbitos por Covid nas faixas etárias segundo semana epidemiológica (Reprodução/Fiocruz)

Tendências para as próximas semanas

  • Manutenção de patamar elevado: A Fiocruz diz que, nas duas últimas semanas, houve a estabilização do número de casos e óbitos por Covid. Os pesquisadores dizem que está caracterizada a formação de um novo patamar de transmissão. “Se em 2020 o patamar ficou conhecido pelo óbito diário de 1 mil pessoas, nas próximas semanas este valor pode permanecer em torno de 3 mil óbitos. A alta proporção de testes com resultados positivos revela que o vírus permanece em circulação intensa em todo o país.” – Boletim da Fiocruz
  • Rejuvenescimento da pandemia: a tendência de rejuvenescimento da pandemia se mantém no Brasil, com a idade média de casos internados na semana epidemiológica 14 sendo de 57,68 anos, em comparação com a idade média de casos internados na semana epidemiológica 1, que era de 62,35 anos. “Para óbito, os valores foram 71,56 anos (SE 1) e 64,62 anos (SE 14).” – Boletim da Fiocruz
  • Abertura pode acelerar transmissão: o boletim lembra que as medidas de restrição de atividades, decretadas por vários municípios e estados no final do mês de março começam a ser flexibilizadas a despeito dos indicadores não apresentarem ainda a redução esperada. “(A atual flexibilização) pode promover a transmissão mais intensa da doença, ao mesmo tempo em que podem ser entendidas erroneamente como o controle da pandemia” – Boletim da Fiocruz