Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
8 de dezembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Da Revista Cenarium*

MANAUS – A cidade chinesa de Wuhan voltou a ser um dos assuntos mais comentados do Twitter nesta segunda-feira,17, após ignorar pandemia e realizar aglomeração em festa eletrônica no Maya Beach Water, parque aquático localizado na região. Por meio das redes sociais, a polêmica divide opiniões entre internautas.

Imagens mostram pessoas dançando sem distanciamento mínimo de um metro, recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), além de não fazer uso de máscaras de proteção. De acordo com a imprensa local, o parque aquático reabriu em junho tendo capacidade limitada a 50% e redução de preço em 50% para mulheres e turistas.

A metrópole de Wuhan epicentro mundial da pandemia, foi gradativamente retirando restrições e voltou à normalidade após ser submetida a uma quarentena rigorosa de 76 dias, entre os meses de janeiro e abril deste ano. Wuhan se tornou a primeira cidade em que adotou medidas protetivas para controlar a disseminação do novo coronavírus.

As imagens divulgadas pela Agence France-Presse (AFP), geram críticas e revolta em centenas de internautas, pois atualmente a pandemia já infectou quase 22 milhões de pessoas no mundo com registro de quase 800 mil óbitos.

Críticas

Internautas usaram o perfil do Twitter para criticar a cidade e atitude do parque aquático em reabertura e uso do local para festas.

Diante da repercussão, outros comentários negativos em relação ao parque podem ser vistos espalhados pela timeline do Twitter.

Outro lado

Além das críticas, também há internautas defendendo a situação.

OMS

De acordo com estimativas da OMS, sem a adoção de medidas protetivas, a evolução dos casos de coronavírus, dobrem a cada três dias. Atitudes higiênicas adotadas diariamente, como lavar as mãos (dedos, unhas, punho, palma e dorso), evitar aglomerações, uso de mascaras e redução do contato social, reduzem o contágio do vírus. Além disso, o uso de máscaras descartáveis deve ser utilizado por todos.

(*) Marcele Fernandes, sob supervisão de Carolina Givoni