Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
12 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – Com o objetivo de incentivar e celebrar a expressão e liberdade artística LGBTQIA+, a produtora e selo musical Alter do Som iniciou as inscrições nesta quinta-feira, 15, para a mostra competitiva da primeira edição do festival Amazônia Queer. As inscrições vão até o dia 26 deste mês e podem ser feitas pelo link de forma gratuita.

O evento será virtual e exibido pelo @alterdosom no Facebook, Instagram ou YouTube. A transmissão será no próximo dia oito de maio direto de Alter do Chão, em Santarém, no Pará, às 20h (19h em Manaus). O Amazônia Queer é uma forma encontrada pela produtora para amparar a comunidade LGBTQIA+ da Amazônia de maneira afável visando além do suporte financeiro e emocional dos participantes e artistas durante a pandemia da Covid-19.

A idealizadora do evento, Teresa Harari, explica a importância de cuidado com o próximo em tempos de pandemia “É importante as pessoas saberem que não estão sozinhas. Existe uma rede de apoio forte na Amazônia. Juntos podemos combater o preconceito e passar por esse momento tão difícil”, ressalta Teresa.

Fundo Amazônia Queer é voltado para arrecadação de recursos para apoiar pessoas em situação de vulnerabilidade (Reprodução/Divulgação)

Programação e apoio

Durante o evento, além da mostra competitiva com premiação em dinheiro também vão ter shows e o chamado Fundo Amazônia Queer, que será lançado dia 20 de abril, voltado para arrecadação de recursos para apoiar pessoas em situação de vulnerabilidade social.

O principal critério para os que desejam participar da mostra competitiva é que sejam da comunidade LGBTQIA+ da Amazônia, maior de 18 anos e enviem um vídeo performático de até 2 minutos. Os selecionados pelos jurados terão a performance transmitida na noite do evento e os três melhores lugares serão escolhidos pelo público de forma online. As premiações vão de R$ 300 a R$ 1.000. 

Coletivos como Amazônico LesBiTrans, Casa Miga, Coletiva Trans de Santarém, Associação de Travestis e Transexuais do Acre, Associação Orquídeas LGBTI+, Coletivo Sapato Preto Amazônida e Coletivo e ONG Olívia estão apoiando o festival e Fundo Amazônia Queer.

LGBTQIA+ na Amazônia

De acordo com a pesquisa Diagnóstico LGBT+ na pandemia, realizada pelo coletivo #VoteLGBT em parceria com a Box1824, há um impacto significativo da pandemia na saúde mental e financeira da comunidade. Com a região Norte sendo uma das mais afetadas pela pandemia e as dificuldades no combate ao vírus na região e a necessidade de isolamento social neste período, muitos perdem ou diminuem drasticamente o contato com seu esteio e apoio.

Logo, a solidão, depressão e ansiedade se manifestam de forma mais intensa nessa população que já é naturalmente vítima dessas enfermidades e com o psicológico constantemente massacrado pelo preconceito. “Infelizmente, neste ano não poderemos fazer de forma presencial, mas pretendemos dar continuidade ao evento e presencialmente”, finaliza a idealizadora.