Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações da Agência Brasil

CHINA – Uma equipe de 12 cientistas liderados pelo professor Qiang Ji, da Hebei GEO University, na China, identificou uma nova espécie humana que viveu na Ásia entre 138 mil e 309 mil anos atrás. O crânio de Harbin, capital da província de Heilongjiang, no nordeste da China, foi datado em 146 mil anos e recebeu o nome de Homo longi ou homem dragão, em homenagem ao local onde foi descoberto, Long Jiang, ou Dragon River (Rio Dragão, em português).

De acordo com o Museu de História Natural de Londres, instituição a que está vinculado um dos pesquisadores da equipe, Chris Stringer, o fóssil pertence a uma das diferentes espécies humanas que coexistiram na Ásia, Europa e África há 100 mil anos, como os homens de Dali, Jinniushan e Hualongdong.

Todas elas podem ser consideradas formas de transição entre a espécie Homo erectus, a primeira identificada do gênero Homo, que surgiu há 1,9 milhão de anos e que se destacou pela fabricação de instrumentos e utensílios de pedra, madeira, pele e ossos, e a atual Homo sapiens, surgida na África há cerca de 200 mil anos. A espécie de transição mais conhecida é a Homo neanderthalensis, os neandertais, extintos há 40 mil anos.

O crânio de Harbin foi encontrado por um operário que trabalhava na construção de uma ponte sobre o Rio Songhua, em 1933, mas somente foi levado aos cientistas em 2018, por um camponês neto do operário. Como o local do achado foi desfigurado ao longo do tempo, as condições do entorno do fóssil não puderam ser reconstituídos, e os cientistas utilizaram técnicas de análises geoquímicas sofisticadas para fazer a datação.

Chris Stringer explica que o crânio de Harbin é “enorme”, com volume cerebral semelhante ao do humano atual, indicando que ele tinha características do Homo sapiens. “É o maior ou o segundo maior valor para muitas medições em nosso banco de dados fóssil comparativo e seu volume cerebral de 1.420 ml corresponde ao dos humanos modernos. Ele também mostra outras características semelhantes à nossa espécie. Tem maçãs do rosto planas e baixas com uma fossa canina rasa, e o rosto parece reduzido e enfiado sob a caixa craniana”.

Análise do crânio

Os detalhes da descoberta foram publicados nessa sexta-feira, 25, em artigo no periódico The Innovation , com o nome de Provação Geoquímica e datação direta do crânio humano arcaico de Harbin, em tradução livre.

Foram feitas análises geoquímicas que incluíram fluorescência de raios X não destrutiva, elementos de terras raras e de isótopos Sr. Os resultados da datação indicam semelhanças com os mamíferos do Pleistoceno Médio-Holoceno e de outros fósseis humanos recuperados da área de Harbin.

“O crânio humano de Harbin é um dos mais bem preservados de todos os fósseis humanos arcaicos encontrados e tem grande importância para a compreensão da diversificação do gênero Homo e da origem do Homo sapiens. Ele representa uma nova linhagem humana, evoluindo no Leste Asiático, e é colocada como grupo irmão do Homo sapiens. Uma combinação de características primitivas e derivadas no crânio de Harbin estabelece um bom conjunto de características diagnósticas que foram usadas para definir uma nova espécie de Homo”, diz o artigo.

De acordo com os pesquisadores, o homem dragão pode ser contemporâneo de outros humanos arcaicos do Pleistoceno Médio da China, como Xiahe (160 mil anos), Jinniushan (200 mil anos), Dali (327 mil a 240 mil anos) e Hualongdong (345 mil a 265 mil anos). Essa datação também se sobrepõe à do Homo sapiens inicial da África e do Oriente Médio. A espécie Homo longi pode ter sido tão bem-sucedida quanto as primeiras populações de Homo sapiens, distribuindo-se por uma grande área na Ásia, incluindo ambientes extremos em altitude e frio.