Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações da Agência Brasil

Cientistas do clima debatem, há tempos, se o Atlântico Norte testemunhou furacões mais frequentes ao longo do último século, dadas as incertezas sobre a confiabilidade dos dados históricos. Porém, novas pesquisas levam a crer que o aumento é real.

“À medida que você volta no tempo, as observações se tornam cada vez mais esparsas”, disse Kerry Emanuel, meteorologista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). “Indubitavelmente, perdemos algumas tempestades” na contagem histórica que remete a meados dos anos 1800.

Por isso, ele deixou os registros antigos de lado e recorreu a simulações de computador para recriar as condições do clima dos últimos 150 anos. Usando três modelos climáticos diferentes, ele então espalhou “sementes” de furacão, ou condições que poderiam produzir uma tempestade, nos modelos para ver quantas sementes se transformavam em tempestades.

O resultado? O número de tempestades no Atlântico, particularmente grandes furacões, de fato se torna mais frequente à medida que as temperaturas globais aumentam, relatou seu estudo, publicado no periódico científico Nature Communications, na quinta-feira.

As descobertas foram bastante condizentes com o recorde de tempestades flagradas por voos e satélites, e anteriormente na terra ou em navios.

Ainda não está claro por que houve mais tempestades no Atlântico, que responde por cerca de 12% dos ciclones tropicais do planeta. Emanuel disse que uma explicação possível podem ser as mudanças nas correntes oceânicas devido ao aquecimento global, mas podem haver outros fatores.