Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Folhapress

CURITIBA – Enfrentando o pior momento da pandemia, os governadores dos três estados do Sul do Brasil anunciaram a criação de um grupo de trabalho para discutir medidas contra a Covid-19 e de um boletim unificado para acompanhar o avanço da doença no Paraná, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

Após reunião por videoconferência na terça-feira, 23, os três chefes do Executivo também encaminharam um ofício ao Ministério da Saúde pedindo maior atenção à situação local, com a disponibilização de medicamentos necessários nas UTIs, custeio de mais leitos e distribuição das vacinas – já que a aplicação está paralisada em duas das três capitais, por falta de doses.

“Temos um perfil socioeconômico e climático semelhante e observamos um comportamento parecido da pandemia nos três estados. A reunião foi de troca de experiências e de estratégias. Tanto o Paraná como Santa Catarina têm percebido a mesma mudança de perfil nos pacientes e o crescimento acelerado no número de casos e de internações pela doença”, escreveu o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), no Twitter.

Ocupação

A ocupação de leitos começou a subir rapidamente no estado gaúcho desde a semana passada. Nesta terça, 87% das UTIs para adultos estavam com pacientes. O índice ultrapassou os 96% na área central do estado e chegou a 90% em Porto Alegre e região metropolitana.

Filas se formaram nas unidades de pronto atendimento da capital nos últimos dias – em ao menos três delas, a superlotação ultrapassa os 300%. Apesar de atingir índices que exigiriam bandeira preta, a mais restritiva nas medidas contra a pandemia, Porto Alegre adotou a bandeira vermelha desde terça.

Quase 70% do estado, incluindo a capital, está em risco gravíssimo para a doença. Nesses locais, o governador mandou suspender as atividades não essenciais entre 20h e 5h. Mesmo assim, as aulas presenciais estão permitidas nos primeiros anos escolares.

Paraná

No Paraná, o cenário começou a se agravar mais rapidamente depois que, na semana passada, foi confirmada a circulação da variante P1 do novo coronavírus. Entre segunda e terça, houve recorde de registro de mortes em um único boletim: 136, de um total de 11 mil.

A taxa média de ocupação de leitos está em 92% no estado. Restam apenas 105 UTIs para adultos em todo o Paraná. Nos últimos dez dias, houve um aumento de 600% no movimento das centrais de regulação de leitos.

Em Curitiba, nesta terça-feira, restavam apenas 37 vagas em UTIs -cerca de 10% do total. “A gente está à frente de uma nova onda, provavelmente a terceira onda. […] Acudimos Manaus e Rondônia e parece que agora chegou a nossa vez. O pós-Carnaval mostrou a sua cara”, disse a secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak.

A situação é ainda mais crítica no oeste do Paraná, que está com 97% das UTIs ocupadas. Em Foz do Iguaçu, cidade que faz fronteira com Paraguai e Argentina, os internamentos por Covid-19 dobraram desde o início do mês, levando à superlotação de algumas unidades.

Cerca de 60% dos atendimentos são de cidadãos paraguaios ou de brasileiros que moram no país vizinho, o que levou a Secretaria Municipal de Saúde a pedir ao governo federal a habilitação de leitos e a instalação de uma barreira sanitária na Ponte de Amizade, que liga os países.

Restrição

Na última sexta, 19, o município restringiu a circulação entre 23h e 5h, proibiu eventos com mais de dez pessoas e intensificou a fiscalização para combater eventos clandestinos.

O recrudescimento das vistorias também foi anunciado pelo governador Ratinho Jr. (PSD), que não exclui a possibilidade de adoção de medidas mais duras contra a pandemia em todo o estado. Apesar de manter o toque de recolher entre 0h e 5h desde o começo de dezembro, o governo tem deixado eventuais regras mais rígidas a cargo dos municípios.

“Estamos estudando as medidas necessárias e a ideia é evitar qualquer tipo de prejuízo econômico. Trabalhamos com esse equilíbrio desde o começo da pandemia e vamos manter isso. Mas temos que ter o cuidado para não deixar o sistema colapsar”, afirmou o governador.

Santa Catarina

Já em Santa Catarina, onde a ocupação de leitos está em 95%, novas ações de enfrentamento à pandemia devem ser apresentadas pelo governo, como a restrição de horários de circulação de pessoas.

A gestão de Carlos Moisés (PSL) anunciou a ampliação de 110 novos leitos de UTI em diversas regiões catarinenses e abriu 165 leitos clínicos de retaguarda para Covid-19 na região Oeste, a que mais vem sofrendo com o impacto da pandemia no sistema de saúde.

O prefeito de Chapecó, maior município da região, esteve em Brasília reunido com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na terça. João Rodrigues pediu a antecipação de 100 mil vacinas para a cidade, suficiente para aplicar uma dose em quase metade da população local. Do governo federal, recebeu a promessa de repasse de 100 mil testes para Covid-19.

Defensor do chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19 e relutante quanto a medidas de prevenção à doença, Rodrigues anunciou na segunda-feira, 22, um novo decreto estabelecendo toque de recolher no município das 22h às 5h e fechando o comércio, academias, lotéricas, parques e praças.

A medida, que vale por cinco dias, ocorre diante da lotação dos hospitais e da unidade de pronto atendimento, mesmo com a duplicação de leitos de UTIs nos últimos dias.

Fechar atividades

“Não sou favorável ao lockdown, mas, diante do cenário, consultando integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid, resolvemos fechar algumas atividades. São só cinco dias, se diminuir o contágio a gente volta. Temos que fazer tudo o que for possível para dar uma freada no vírus. Essa é uma situação que não é só Chapecó que está vivendo”, disse Rodrigues.

Mesmo com risco de colapso nos sistemas de saúde, a vacinação contra a Covid-19 segue parada em duas das três capitais do Sul. Apenas Porto Alegre ainda estão aplicando o restante das primeiras doses que recebeu (cerca de 20% do total) na população acima de 83 anos. Ainda não há previsão de fornecimento de mais imunizantes para os estados.