Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
18 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da FolhaPress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O governo Bolsonaro estima, segundo interlocutores, que o aumento de recursos para a fiscalização ambiental – anunciada nesta quinta-feira, 22, pelo presidente brasileiro na Cúpula do Clima – ficará em torno de R$ 115 milhões. Os recursos devem ser utilizados, entre outras finalidades, para custear o emprego da Força Nacional nas ações de combate ao desmatamento -proposta criticada por ambientalistas.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que a suplementação orçamentária será utilizada em parte para viabilizar as ações da Força Nacional. A corporação é formada por policiais militares dos Estados e atualmente é comandada por Antônio Aginaldo de Oliveira, marido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), que, por sua vez, preside a Comissão de Meio Ambiente da Câmara.

Em entrevista coletiva após a participação do presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima, Salles afirmou que ainda não era possível determinar qual o valor do aporte ao Orçamento atual. “O que houver de disponibilidade o presidente vai dobrar o recurso. É importante porque dá sustentação a esse pagamento que eu me referi há pouco, às equipes da Força Nacional – que podem aumentar substancialmente -, e porque se somam ao que já tem de equipes e logística de Ibama, ICMBio e Polícia Federal”, disse. “Contar com o apoio logístico das Forças Armadas na Amazônia é muito importante.”

De acordo com Salles, para escalar o volume de equipes e batalhões ambientais com a Força Nacional “é preciso ter recursos adicionais, porque além das diárias e do pagamento pela logística, você tem custos bastante elevados de deslocamento”. O recurso em parte é para suprir essa ação”, complementou.

O ministro afirmou que ainda não é possível revelar valores devido às negociações entre Executivo e Congresso em torno do Orçamento. O Planalto tem até esta quinta-feira para publicar a sanção à lei orçamentária. As ações de fiscalização e prevenção a desmatamento e queimadas que constam no Orçamento de 2021 aprovado pelo Congresso somam R$ 152,4 milhões.

Contudo, um aumento de R$ 115 milhões, como previsto pelo governo, não é suficiente para retomar o patamar da verba para fiscalização ambiental nos anos anteriores. Em 2020, foram previstos cerca de R$ 580 milhões, incluindo a Operação Verde Brasil, que autorizou o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Em 2019, o valor foi de aproximadamente R$ 508 milhões, devido, principalmente, ao dinheiro recuperado pela Operação Lava Jato e que foi destinado à área. A previsão de 2021 prometida pelo governo só superaria, portanto, a média de 2016 a 2018, de R$ 200 milhões.

O emprego da Força Nacional para ações de fiscalização é criticado por ambientalistas. Para Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, o objetivo de Salles é “ter uma espécie de milícia oficial para comandar a fiscalização no Brasil”. “O País já tem uma força de segurança ambiental chamada Ibama. Mas ele [Salles] não gosta do Ibama porque ele não consegue interferir”, complementa.

Mesmo dentro do governo a ideia de Salles enfrenta resistência. Nesta quinta, o vice Hamilton Mourão (PRTB), que comanda o Conselho da Amazônia, disse que a proposta é complicada e que é mais fácil atuar por outros meios. “Não é tão simples assim. A Força Nacional é composta de policiais de Estados que cedem, ou seja, perdem o seu efetivo. Então não é tão simples colocar isso em pé assim.”

A promessa de dobrar o dinheiro disponível para fiscalização do ambiente foi feita por Bolsonaro no evento internacional convocado pelo presidente dos EUA, Joe Biden. “Medidas de comando e controle são parte da resposta. Apesar das limitações orçamentárias do governo, determinei o fortalecimento dos órgãos ambientais, duplicando os recursos destinados às ações de fiscalização”, disse ele.

O líder brasileiro fez também um apelo por recebimento de contribuições internacionais, na linha do que defende Salles. “Diante da magnitude dos obstáculos, inclusive financeiros, é fundamental poder contar com a contribuição de países, empresas, entidades e pessoas dispostos a atuar de maneira imediata, real e construtiva na solução desses problemas”, discursou.