1 de março de 2021

Jennifer Silva – Da Revista Cenarium

MANAUS – Circula em grupos de mensagem instantânea e redes sociais um vídeo onde o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mario Vianna, aparece propagando falsa notícia sobre a distribuição das vacinas contra a Covid-19 que chegaram ao Amazonas na segunda-feira, 17. Nas imagens, Vianna afirma que tem recebido informações sobre desvios das vacinas destinadas aos profissionais da saúde. Por meio de nota, o Governo afirma que a manifestação do presidente do Sindicato é irresponsável e se enquadra como notícia falsa.

“Esta afirmação é mentirosa. Todas as doses recebidas pelo Governo do Estado estão sendo distribuídas aos 62 municípios no Amazonas, de acordo com as determinações do Ministério da Saúde”, diz trecho da nota.

Confira o vídeo do presidente do Simeam, Mario Vianna, classificado como fake news pelo Governo do Amazonas (Divulgação)

TJAM e MPAM

Nessa terça-feira, 19, um áudio, também divulgado nas redes sociais, denunciava que “uma caixa de vacina foi para o Tribunal de Justiça e outra para o Ministério Público”. No entanto, a informação não é verídica e foi desmentida, em seguida, pelos órgãos citados.

“O Tribunal de Justiça do Amazonas esclarece que são mentirosas e maledicentes quaisquer postagens que afirmem existir destinação de vacinas contra a Covid-19 para esta Corte Estadual de Justiça e seus membros. Este Tribunal se pauta pela seriedade e responsabilidade e tem plena consciência de sua função institucional, respeitando os princípios republicanos que devem nortear suas ações”, disse o presidente do TJAM, desembargador Domingos Jorge Chalub Pereira.

Além disto, a Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ-AM) informou que o Ministério Público do Amazonas (MP-AM) não recebeu as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 que foram enviado aos Estados. As informações que circulam em conversas de WhatsApp não são verdadeiras. O MP informa que vai apurar as notícias de desvio das quantidades de vacinas.

Plano de Imunização

Segundo “Plano Operacional de Imunização Covid-19”, publicado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), serão quatro fases de vacinação, e pretende vacinar 262.142 amazonenses, de acordo com a proposta do Ministério da Saúde.

Os grupos prioritários da primeira fase serão: povos indígenas vivendo em terras indígenas (100.642); trabalhadores de saúde (86.357); pessoas de 80 anos ou mais (38.357); pessoas de 75 anos a 79 anos (36.050). Na segunda fase serão vacinadas pessoas de 70 a 74 anos (54.887); pessoas de 65 a 69 anos (82.333) e pessoas de 60 a 64 anos (113.860). A terceira fase do plano de imunização será focado a pessoas com comorbidades. A FVS-AM pretende vacinar 202.608 amazonenses. A quarta fase almeja vacinar a população em geral.

Fake news

A viralização de informações falsas influencia de forma direta na consciência coletiva e o problema está na velocidade com que ela se espalha, principalmente se seu criador as promove e as compartilha de várias contas e redes ao mesmo tempo.

O assunto é tão delicado que até a Organização Mundial da Saúde (OMS) usou o termo infodemia para se referir à prática de divulgar notícias falsas ou informações incorretas relacionadas à pandemia, uma vez que, no contexto atual, a desinformação representa um problema mais sério por ter a capacidade de colocar em risco a saúde e a integridade de muitas pessoas. Além de que, criar e disseminar notícias falsas é crime.