Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do UOL

SÃO PAULO – O governo federal deixou de gastar R$ 80,7 bilhões dos R$ 604,7 bilhões (13,3% do montante) autorizados para o enfrentamento direto dos efeitos da pandemia da Covid-19 em 2020, segundo levantamento divulgado hoje pelo Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos). Os dados compilados pelo instituto foram extraídos do Tesouro Nacional em fevereiro e fazem parte do estudo “Um país sufocado — Balanço do Orçamento Geral da União 2020”.

A maioria dos valores autorizados para o governo gastar diretamente contra a Covid-19 em 2020 estava destinada ao pagamento do auxílio emergencial: R$ 322 bilhões, 53,2% do total. Do montante, R$ 28,9 bilhões (9%) deixaram de ser gastos no ano passado.

De início, o auxílio beneficiou cerca de 66 milhões de brasileiros com cinco parcelas de R$ 600. Em setembro, o programa foi reduzido para quatro parcelas de R$ 300, atendendo por volta de 42 milhões de pessoas. Logo atrás, representando 13,1% dos gastos autorizados (R$ 79,2 bilhões), vem o auxílio federal aos Estados, o Distrito Federal e municípios para lidarem com o novo coronavírus. Do total, 98,8% (R$ 78,3 bilhões) foi pago em 2020.

“O governo tinha a obrigação de gastar o máximo de recursos disponíveis para proteger a população. Mas o que vimos foi sabotagem, ineficiência e morosidade no financiamento de políticas públicas essenciais para sobreviver à crise”, disse, em nota, Livi Gerbase, assessora política do Inesc.