8 de março de 2021

Com informações do G1

MANAUS – O Ministério da Saúde atualizou o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. Com data de 20 de janeiro, o novo documento traz o número previsto de pessoas nos grupos prioritários: 77,2 milhões.

  • Serão 2,8 milhões de pessoas que receberão duas doses da CoronaVac (6 milhões de doses disponíveis). Estão neste grupo: trabalhadores da saúde na linha de frente contra a Covid-19; pessoas idosas (mais de 60 anos) residentes em instituições de longa permanência (institucionalizadas); pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência em Residências Inclusivas (institucionalizadas); população indígena vivendo em terras indígenas.
  • Depois, preferencialmente, de acordo com a disponibilidade da vacina, novos grupos serão incluídos: equipes de vacinação que estiverem envolvidas na etapa das primeiras 6 milhões de doses; trabalhadores das Instituições de Longa Permanência de Idosos e de Residências Inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência); trabalhadores dos serviços de saúde públicos e privados, tanto da urgência quanto da atenção básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados da Covid-19; outros trabalhadores de saúde.

Nesta atual versão do plano, o ministério detalha apenas a primeira etapa de vacinação. No documento anterior, o governo apresentava 3 fases e quais os grupos previstos em cada.

Na fase 2, estavam os idosos com mais de 60 anos, mesmo os que não estão em instituições de longa permanência.

Na fase 3, seriam as pessoas com comorbidades, como diabetes, obesidade e doenças cardíacas.

Agora, esses e outros grupos continuam contemplados em uma futura etapa da vacinação, mas o escalonamento “para vacinação se dará conforme a disponibilidade das doses de vacina, após liberação pela Anvisa”.

Mais grupos incluídos

Nessa atualização, o plano adicionou os trabalhadores industriais e trabalhadores portuários. Também detalhou o que chamava apenas de “trabalhadores do transporte coletivo” e “transportadores rodoviários de carga”.

O primeiro documento, divulgado em 16 de dezembro de 2020, indicava um total de 49,6 milhões de pessoas nas três primeiras fases da vacinação. Segundo o ministério, atualmente, o Brasil tem mais de 354 milhões de doses de vacinas garantidas para 2021, por meio dos acordos com a Fiocruz (254 milhões de doses), Butantan (100 milhões de doses) e Covax Facility (42,5 milhões de doses).