Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
26 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do History*

MANAUS – No dia 20 de dezembro de 2013 morria, no Recife (PE), o cantor e compositor Reginaldo Rossi, considerado do “Rei do Brega” no Brasil. Nascido na capital pernambucana em 14 de fevereiro de 1944, sua carreira artística teve influência de Elvis Presley e dos Beatles. No começo cantava rock e fazia imitações de Roberto Carlos. Nos anos 80, alcançou o sucesso na região Norte e Nordeste, mas seu sucesso nacional só veio nos anos 90 com a música “Garçom”.

Além da carreira política, Reginaldo Rossi também se aventurou na política, como candidato a vereador do município de Jaboatão dos Guararapes e depois como candidato a deputado estadual pelo PDT, porém não conseguiu se eleger em nenhuma das ocasiões. Por outro lado, sua carreira como músico era de muito sucesso, com agenda cheia de shows.

Foram mais de 50 anos de carreira. A princípio, o artista lançou-se na música com o rock da Jovem Guarda no grupo “Silver Jets” e depois migrou para letras que tratavam de amor, ilusão e dor, conquistando o Norte e o Nordeste do País. Em 1986, com “Garçom”, estourou pelo Brasil e, logo em seguida, no mundo. Ao longo da jornada recebeu 14 discos de ouro, dois de platina, um de platina duplo e um de diamante. 

As mais de 300 canções em seu repertório conquistaram corações de muitas gerações, como é o caso de Alexandre Lira, 53, que é fã de Reginaldo há mais de 35 anos. “Reginaldo é referência de humildade. Sempre foi carinhoso com qualquer pessoa que falasse com ele. Sou um colecionador de discos, CDs, camisas e shows. Só trago memórias boas de quando o acompanhava”, contou. O Rei do Brega também é querido por admiradores de outras idades. A estudante Gabriela Nascimento, 22, é organizadora de uma festa que homenageia o cantor desde 2014. “Comecei a ouvi-lo na infância por conta dos meus pais e, infelizmente, não pude ir a nenhum show porque era menor de idade na época. Mas compreendo sua importância no brega e faço o que posso para que seu som prevaleça”. 

No mês de novembro de 2013, descobriu que estava com câncer de pulmão, doença que o vitimou no dia 19 de dezembro, aos 69 anos.