Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Portal Geledés

SÃO PAULO- O Itaú Cultural abre a programação Palco Virtual de março com uma série de apresentações de teatro e dança do dia 4 ao dia 7 (quinta-feira a domingo), guiada pela temática identitária.

Mantendo a proposta de dar luz à dramaturgia brasileira em trabalhos que estão sendo construídos, apresenta as leituras inéditas de Sob o Céu de Paris, da premiada dramaturga Gabriela Rabelo, na qual quatrocentões brancos têm que lidar com o racismo a partir da neta negra, e Amora Paulada, com texto e direção de Renato Gama sobre as masculinidades, afetividades, paternidades e subjetividades do homem negro de meia idade.

Por sua vez, a Companhia de Teatro Íntimo e o Coletivo Preto apresentam Negra Palavra | Solano Trindade, em cima da vida e obra do poeta pernambucano que dá nome ao espetáculo. Uma dobradinha de dança fecha a programação com o curta-metragem Baobá, sobre a identidade étnica que está por trás da construção de cada ser, e o espetáculo Arreia, com as tradições indígenas na manifestação folclórica do Caboclinho.

Estas apresentações do Palco virtual acontecem sempre às 20h pela plataforma Zoom, e são seguidas por bate-papo com os elencos. Os ingressos podem ser reservados via Sympla. Para mais informações, basta acessar o site do IC: www.itaucultural.org.br.

Leituras

As leituras ao vivo marcam presença nos dois primeiros dias da programação, que abre no dia 4 de março (quinta-feira) com ‘Sob o Céu de Paris’. No texto de Gabriela – primeira mulher a receber, em 2013, o prêmio de Melhor Dramaturgia em Língua Portuguesa pelo Instituto Camões e Funarte, com a obra Luiz Gama ou O Diabo Coxo –, os ex-quatrocentões e já idosos Ivan e Ana Angélica moram em um apartamento em um prédio hoje decadente próximo ao Minhocão, em São Paulo.

Roberto, filho único do casal, com o qual divergem em inúmeros assuntos, é pai de Cecília, filha de um amor de juventude dele com uma mulher negra, que morreu no parto. Criando a neta, Ivan e Ana Angélica aprenderam um pouco sobre o alcance do preconceito racial, mas ao se depararem com um corpo humano morto no meio de um feriado prolongado, eles têm de enfrentar problemas mal resolvidos do passado e do presente.

Assim, recorrem a calendários e anotações de fatos importantes ocorridos tempos atrás, entre os quais antigas lembranças de Paris, que sobrevoam os personagens como um paraíso perdido. Veja a matéria completa no Portal Geledés.