Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de setembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações da Folhapress

SÃO PAULO – Nem o feijão com arroz escapou da alta da inflação e do desemprego. A combinação de aceleração de preços e renda em queda mudou o cardápio dos brasileiros mais pobres, que se veem obrigados a optar por produtos mais baratos. Saem óleo de soja, feijão e carne; entram banha de porco, lentilha e ovo. Até o preparo da alimentação foi afetado. Com o botijão de gás a mais de R$ 100 em algumas cidades, muitas famílias trocaram o fogão por lenha e carvão.

Enquanto numa ponta os preços sobem, na outra a renda cai. Além da redução do valor do auxílio emergencial, a taxa de desemprego atingiu o patamar recorde de 14,7% no trimestre encerrado em abril.
Solange Ferreira, dona de um mercadinho no bairro Jardim Éster Yolanda, zona oeste de São Paulo, afirma que a situação dói na alma. “Alguns [consumidores] vêm com dinheiro contado para comprar três tomates. Chega na hora de pagar e têm de tirar um”.

Reflexo desse cenário, aumentou a oferta de arroz quebrado e bandinha (o meio feijão), substitutos mais baratos para o produto padrão. Cestas básicas também têm contado com uma mistura maior desses produtos com os tradicionais. Bárbara da Silva, 19, de Heliópolis, favela na zona sul da capital paulista, é uma das que têm dependido de doações. Mãe de um menino de dois anos, ela está sem emprego, e o marido, que trabalha como marceneiro, não tem encontrado muitos serviços. Assim, a família riscou frutas, verduras e iogurtes da lista.

De acordo com Ana Maria Segall, coordenadora de relações internacionais da Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), frutas e verduras são os primeiros alimentos que as pessoas retiram do cardápio em uma situação de insegurança alimentar –quando não há acesso pleno e seguro a alimentos de qualidade conforme a dieta de uma população. Em seguida, são retirados a carne e os derivados de leite.

A troca de produtos por substitutos mais baratos, como de um arroz mais nobre pelo quebrado, é reflexo dessa situação. O produto costuma ser exportado para a África, mas, com o aumento de 5% da safra do cereal e os preços domésticos subindo, parte maior da produção ficou no mercado interno. Uma foto de um saco do produto da marca Rampinelli viralizou na última semana acompanhada por um questionamento da qualidade do alimento. No entanto, afora a aparência, não há diferença em termos nutricionais para outros tipos de arroz. O produto costuma ser usado em sopas, canjas e ração animal.

No caso do feijão, a indústria –afetada por um ano mais seco e de geada– apostou no bandinha, que sai por valores inferiores a R$ 5 por quilo, enquanto o produto padrão se aproxima de R$ 7. Outro produto cujo consumo despencou foi a carne bovina, paralelamente à redução do auxílio emergencial. “A queda nas vendas beira 40% nos últimos meses, enquanto a de frango dobrou –e olha que aqui o povo come carne de boi”, diz Ildeu Afonso, que tem um açougue na periferia de Cuiabá (MT).

Na cidade, há registro de filas para doações de restos de ossos de boi durante a pandemia. Em 2020, o consumo de suínos, aves e ovos cresceu 5,5%, 6,5% e 9,1%, respectivamente –valores que se mantiveram estáveis no primeiro trimestre deste ano, de acordo com a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal). Enquanto isso, o consumo de carne bovina caiu 7%.

A cesta dos mais pobres também passou a ter mais apresuntado, empanado e pão industrializado. Segundo a consultoria Kantar, o consumo desses itens na classe D/E cresceu 14,8 e 11 pontos percentuais, respectivamente, entre março de 2020 e de 2021. O cenário contrasta com o vivido por essas classes nas duas últimas décadas. De 2004 a 2013, famílias viram a renda média crescer junto a uma maior distribuição de renda, o que permitiu uma melhora do padrão de consumo.

Desde 2015, porém, há uma reversão desse quadro, agravada pela pandemia. “A partir do segundo trimestre de 2020, esse processo se radicalizou. Todos perdem, mas quem está na base perde proporcionalmente mais”, diz André Salata, professor do programa de pós-graduação em ciências sociais da PUCRS. Para ele, é preciso manter o auxílio emergencial a curto prazo e recuperar o mercado de trabalho a longo.

Embora a alta de preços ocorra para todas as faixas de renda, ela é mais sentida pelos mais pobres, cuja cesta de consumo é composta principalmente por alimentação, transporte e energia –os vilões da inflação nos últimos meses. Dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostram que os mais pobres sentem mais a escalada de preços na pandemia.

Segundo o instituto, a faixa da população com renda considerada muito baixa (inferior a R$ 1.650,50 por mês) registrou inflação de 9,24% no acumulado de 12 meses até junho. É a maior variação entre os seis grupos pesquisados. Além dos alimentos, pressionam o orçamento dos mais pobres o gás de botijão, que acumula alta de 24,25% em 12 meses até junho, e a conta de luz, que subiu em meio à crise hídrica.

Conforme o IBGE, as tarifas de energia residencial acumularam alta de 14,2% em 12 meses até junho. Sem dinheiro para pagar a conta de luz, Elias, 64, pedia ajuda de pedestres em uma calçada na Lapa, zona oeste de São Paulo, na sexta, 23. Em mãos, o boleto de R$ 124. Morador de Franco da Rocha, ele divide o terreno com a ex-mulher e quatro filhos. Além da energia, ele destaca o preço do gás. “Ontem eu fui queimar lenha [para cozinhar] e meu vizinho reclamou da fumaça. Está tudo muito difícil”, afirma.

Desempregados dependem de doações para se alimentar

“Na casa em que mora com os quatro filhos e o marido na Favela do Pullman, na zona sul de São Paulo, a autônoma Fernanda Cristina Beccare, 38, deixou de comer coisas simples que gostava como cuscuz e sardinhas enlatadas. A dieta dela está restrita ao básico, como arroz e feijão. Mesmo assim, só consegue comida por causa de doações de organizações sociais.

Apesar de contar com ajuda, ainda faltam itens essenciais, como produtos de higiene pessoal e roupas, ainda mais com o clima mais frio do inverno. “Se já estava difícil para arrumar serviço antes da pandemia, agora piorou”, afirma. “Como se não bastasse, as coisas estão absurdamente caras. E como comprar sem trabalhar?”

Na família, a única renda vem do trabalho como jardineiro do marido de Fernanda. Com filhos entre 7 e 18 anos, ela diz que “graças a Deus não tem problemas com energia”, mas isso só é possível com a ajuda que recebe. “Sem isso, não sei o que seria da gente.”

Além da perda de renda causada pelo aumento do desemprego na pandemia do coronavírus, a inflação pressiona o poder de compra, principalmente dos mais pobres. “O miojo e o ovo estão salvando os moradores”, comenta Cleberson da Silva Pereira, economista do CEP (Centro de Estudos Periféricos).

Pés de frango, língua, músculos, peixes mais baratos e cortes suínos também entraram na dieta da periferia. “Compramos o mais barato. No açougue são sempre as carnes mais baratas, quando não é ovo”, comenta a auxiliar de escritório Tomásia Aparecida, 57, do Grajaú, zona sul de São Paulo. “Ultimamente tenho comprado itens de feijoada. E só o que resta e sai mais barato, como fígado, peixe e pé de frango.”