Iniciativa ‘Amazônia +10’ conta com a adesão de 18 estados que vão investir em pesquisas na região

Com informações da assessoria

AMAZONAS – A chamada Amazônia +10, um desdobramento do Programa Amazônia +10, lançado pelos governadores durante a Reunião Anual do GCF Task Force, realizada em Manaus em março deste ano, irá apoiar pesquisas que contribuam para a resolução de problemas prioritários para o avanço sustentável na região amazônica. O lançamento foi realizado durante  Fórum Nacional Consecti e Confap que ocorre em Manaus.

O Governo do Amazonas vai contribuir com R$ 5 milhões, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), para a chamada pública que recebe recursos de outros estados da Amazônia Legal, por meio das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs), além da contribuição da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e de governos de outros estados do Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul do País, totalizando até o momento a adesão de 18 FAPs.

Mais de R$ 52 milhões serão investidos na chamada do Programa Amazônia + 10.  A diretora-presidente da Fapeam e vice-presidente do Confap, Márcia Perales Mendes Silva, destacou que todas as vezes que se discute  sobre os novos desafios do Brasil, inevitavelmente, a Amazônia precisa estar pautada diante da sua grandiosidade e diversidade.

“Nós hospedamos o maior banco genético do mundo, a maior província mineral, uma imensurável biodiversidade, mas nós também temos uma população de 35 milhões de pessoas na Amazônia Legal composta  por povos originários, comunidades remanescentes dos quilombolas, comunidades extrativistas, ribeirinhos, caboclos, seringueiros, entre outros. Temos mais de 200 mil indígenas e 180 povos indígenas que falam diferentes línguas”, disse Márcia Perales.

Ação estratégica

Para o presidente do Confap, Odir Dellagostin, o lançamento de um edital conjunto entre as FAPs demonstra a sinergia que existe entre as diferentes unidades da federação e a importância que tem a Amazônia no contexto nacional e mundial.

“É um momento de muita alegria para nós lançarmos um edital conjunto entre as FAPs. A iniciativa partiu dos secretários do Consecti, juntamente com a Fapesp, que trouxeram a ideia e o  Confap acolheu e se engajou na estruturação dessa iniciativa”, acrescentou.

O diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp, Carlos Américo Pacheco, enfatizou que a ação trata-se de uma estratégia para criar alternativas de emprego e renda sustentáveis compatíveis com a manutenção da floresta em pé.

“Você não vai ter resposta razoável para a Amazônia se você não der alternativas reais e sustentáveis, do ponto de vista ambiental, mas economicamente sustentáveis para essa população que vive aqui” observou acrescentando que a iniciativa busca soluções que apontem contribuições científicas ou de inovação para a resolução de problemas prioritários.

Segundo o presidente do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti), Rafael Pontes, um do maiores portfólios do Brasil para o mundo é a Amazônia.

“Esse esforço coletivo busca trazer e canalizar esforços para resolver os problemas da Amazônia e, com isso, resolver problemas de muitos, transferindo tecnologia para o Brasil e para o mundo”, enfatizou.

Eixos temáticos

O edital irá apoiar projetos nos seguintes eixos: 1) Territórios como infraestrutura e logística que facilitam o desenvolvimento sustentável em dimensão multi escalar; 2) Povos da Amazônia como protagonistas do conhecimento e da valorização da biodiversidade e adaptação às mudanças climáticas; e 3) Fortalecimento de cadeias produtivas sustentáveis pelos amazônidas. Os projetos terão duração de até 36 meses.

O  Fórum Nacional do Consecti e Confap reúne presidentes e representantes das 26 Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs), Secretários Estaduais de CT&I, gestores de entidades acadêmicas, científicas e de agências federais e internacionais de fomento à CT&I.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO