Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de setembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Com informações do Infoglobo

TRAPANI – Cerca de 58 casas serão vendidas por um valor simbólico de um euro na cidade de Calatafimi-Segesta, em Trapani, na região da Sicília, na Itália. Não é a primeira vez que isso acontece. A proposta chama atenção do mundo inteiro não só pelo preço de um café expresso como também pela localização dos imóveis, que ficam em regiões famosas e tem como objetivo revitalizar a região.

O anúncio foi feito pelo comissário extraordinário do município, Francesco Fragale, que explicou que a medida possibilitará “iniciar um processo econômico virtuoso que ponha em movimento a economia do País, dando trabalho ao setor da construção e do artesanato, com fortes repercussões econômicas no futuro”.

Para atrair novos moradores, investidores, impulsionar a economia e o turismo, os governos locais oferecem imóveis desde que os novos donos se comprometam a restaurar, reformar, manter as casas por determinado período e arcar com todas as despesas relacionadas à documentação. Caso contrário, o proprietário deverá pagar uma multa e o imóvel será devolvido à prefeitura. Os interessados poderão se inscrever até o próximo mês, segundo a agência Ansa.

Segundo o edital, é preciso respeitar normas rígidas caso o imóvel seja considerado um bem arquitetônico ou cultural. Devido ao tempo de abandono, algumas casas estão bastante degradadas. As obras devem ser concluídas em até três anos a partir do início, uma vez que a licença de construção for emitida, afirma a Ansa.

O primeiro local a oferecer os imóveis foi a cidade de Tarento, na região da Apúlia, com a intenção de revitalizar uma cidade que estava praticamente abandonada.

A iniciativa de Calatafimi-Segesta segue o mesmo formato de outras regiões como Toscana, a Sicília, a Sardenha, a Puglia, o Piemonte e a Lombardia. O projeto existe pelo menos desde 2014 na Itália e ficou conhecida em italiano como “Case a un euro”. Outros países já adotaram a ideia: França, Croácia, Espanha, Japão, Suíça e Portugal.