Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
28 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Cassandra Castro – Da Cenarium

BRASÍLIA – Os ânimos ficaram acirrados durante a sessão desta quinta-feira, 23, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, no Senado. Um bate-boca entre o relator da Comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), de oposição, e o senador Jorginho Mello (PL-SC), da base governista. A discussão quase chegou às “vias de fato” depois da troca de xingamentos entre os dois parlamentares.

A confusão começou quando Jorginho interrompeu a fala de Renan para defender o presidente Jair Bolsonaro. Renan não gostou de ser interrompido e o clima esquentou. “Vai pros quintos”, disse Jorginho.

“Vai você com seu presidente e Luciano Hang”, respondeu Renan, fazendo referência ao empresário bolsonarista que é de Santa Catarina e foi convocado para falar na CPI.

E a troca de ofensas continuou: “Vai lavar a boca para falar do Luciano”, devolveu Jorginho.

“Vai lavar a tua, vagabundo”, disse Renan.

“Vagabundo é você, ladrão, picareta”, reagiu Jorginho.

“Ladrão, picareta é você”, prosseguiu Renan.

Insultos

Depois das agressões verbais, o relator da CPI foi em direção a Jorginho, mas acabou impedido pelos outros integrantes da Comissão. O presidente da CPI, senador Omar Aziz ( PSD/AM), pediu aos dois senadores que pedissem desculpas um ao outro. Como isso não ocorreu, Omar solicitou que os insultos fossem retirados das notas taquigráficas que registram o conteúdo das audiências na comissão.

Após o incidente, o senador Jorginho Mello usou as redes sociais para falar do incidente. Ele afirmou que agiu daquela forma por não ter “sangue de barata”:  “Quem é Renan Calheiros para chamar alguém de vagabundo? Ninguém tem sangue de barata. Fiz o que muitos brasileiros gostariam de ter feito”, declarou o parlamentar governista. A publicação teve mais de cinco mil curtidas pouco mais de uma hora após ter sido postada.

Nesta quinta-feira, 23, a CPI ouviu o depoimento de Danilo Trento, diretor institucional da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a compra de doses da Covaxin entre o Ministério de Saúde e a farmacêutica Bharat Biotech. Logo no início da oitiva, Trento usou o direito garantido pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), de permanecer em silêncio durante o depoimento.

Veja o vídeo