Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Folhapress

RIO DE JANEIRO – O leilão para contratar energia para sistemas isolados na Amazônia realizado nesta sexta, 30, reforçou o avanço de projetos a gás natural e a biodiesel sobre fontes mais poluentes que ainda dominam o fornecimento à região. Não houve, porém, contratação de projetos de geração solar.

O governo contratou uma potência instalada de 97 MW (megawatts) para abastecimento de 23 localidades no Amazonas, no Acre, no Pará, em Rondônia e em Roraima. São lugares que não estão conectados à rede nacional de transmissão de energia e são atendidas por sistemas isolados.

Principal fonte de energia para essas localidades, o diesel foi a fonte que ganhou o maior volume de energia no leilão desta sexta. Mas, pelo segundo leilão seguido, projetos a gás e biodiesel venceram lotes. As propostas vencedoras representaram um deságio médio de 19,4% em relação ao preço máximo da energia estabelecido pelo governo e se comprometeram com investimentos de R$ 340,5 milhões.

O custo da energia dessas localidades é rateado por todos os consumidores brasileiros de energia via CCC (conta de consumo de combustíveis), um encargo cobrado na conta de luz que deve somar R$ 8 bilhões em 2021. Além de cara, a geração a diesel na região é ineficiente e poluente: em geral, gasta-se mais combustível para transportar o diesel pelas longas distâncias da Amazônia do que para gerar energia.

Em 2019, a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) estimou que as emissões pelos geradores dos sistemas isolados chegariam a 2,87 milhões de toneladas de CO2 equivalente em 2020. O volume se equipara às emissões de Recife em 2015, por exemplo, segundo inventário feito pela prefeitura naquele ano.

Polo Urucu, em Coari, no Amazonas (Divulgação/Petrobras)

Em leilão realizado em 2019 para fornecer energia a Boa Vista (RR), projetos a gás natural e a biodiesel começaram a ocupar espaço nesse segmento, em processo visto como uma transição rumo à disseminação de empreendimentos de geração mais eficientes e menos poluentes na região.

No leilão desta sexta, a Usina Xavantes venceu com um usina movida a gás natural disputa para o fornecimento a cinco localidades no Amazonas, com deságio de 32% em relação ao preço máximo estabelecido no edital. O investimento será de R$ 90 milhões.

Será o segundo projeto a gás na região após a venda dos ativos de produção da Petrobras à Eneva, que abriu uma nova fronteira para o gás da Amazônia ao vencer em 2019 o leilão para construir uma usina em Boa Vista. Já a Brasil Biofuels conseguiu emplacar geradores a biodiesel para o suprimento de dez localidades em Rondônia e duas no Pará.

No primeiro caso, venceu a disputa com deságio de 10,1% sobre o preço máximo. No segundo, o deságio foi de 23,5%. Ao todo, a empresa vai investir R$ 83,7 milhões. Geradores a óleo diesel venceram a disputa para fornecer a três localidades no Acre e três em Roraima.

Na tentativa de abocanhar parte desse mercado, produtores de energias renováveis defendiam mudanças nas regras dos leilões do governo, alegando que o modelo atual favorece térmicas a diesel, mais poluentes.

Embora representasse 6% da oferta cadastrada para o leilão, a energia solar acabou não vencendo nenhuma disputa. O setor alega que, apesar da redução de custos da tecnologia nos últimos anos, as regras do leilão dificultam a participação nessas concorrências.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) chegou a debater mudanças no modelo, mas decidiu deixar a discussão para os próximos leilões para evitar que o processo atual tivesse que ser cancelado para acomodar novas regras. Há hoje 211 localidades brasileiras registradas como sistemas isolados, lista que inclui comunidades indígenas e ribeirinhas, ilhas e cidades na floresta.

“Estamos perdendo uma grande oportunidade de, de dentro da Amazônia, sair com custos mais baratos e experimentar soluções inovadoras”, disse, na reunião, o diretor da Aneel Sandoval Feitosa.