Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Folhapress

SÃO PAULO – Com o encerramento global da divisão de smartphones, a LG vai levar as linhas de produção de monitores e notebooks, hoje localizadas em Taubaté (SP), para Manaus (AM), cidade em que a empresa já fabrica outros produtos, como televisores. A entidade teve reunião com representantes da companhia nesta terça-feira, 6. A LG no Brasil diz, em nota, que a transferência da produção para a unidade no Amazonas fortalecerá sua estratégia comercial.

A empresa afirma também que cumprirá as responsabilidades para minimizar os impactos para funcionários e parceiros comerciais. A LG não diz as datas exatas para o encerramento e transferência da produção no interior de São Paulo. Em comunicado divulgado na segunda-feira, 5, diz que até 31 de julho todas as linhas de smartphones estarão desligadas.

Com a mudança para Manaus, serão 700 os empregados diretos da LG em Taubaté que deverão ser demitidos, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté. São 400 atuando na produção de celulares e outros 300 com os monitores e notebooks.

A entidade sindical e a LG tiveram nesta terça a primeira de uma série de reuniões. Em vídeo divulgado após a reunião, o presidente do sindicato, Cláudio Batista, diz que a intenção é fechar um acordo para os funcionários até o fim da semana.

Segundo Batista, a LG comunicou que manterá no município paulista o call center e o serviço de assistência técnica. Juntos, os dois setores têm 300 empregados.

“Ficou acertado que vamos discutir, podendo chegar a um acordo, plano médico, PLR [participação nos lucros e resultados], indenização social, qualificação profissional, assistência sindical, prova de quitação, absenteísmo, B94 [código do INSS para auxílio-doença por questões de trabalho], estáveis e gestantes”, disse o presidente do sindicato de Taubaté.

Além dos empregados da fábrica em Taubaté, o encerramento da produção de smartphones no Brasil também terá efeitos sobre três empresas na região, sendo duas em Caçapava e uma em São José dos Campos. Juntas elas empregam cerca de 430 pessoas, diz o sindicato.

Segundo o sindicato de São José dos Campos, todas trabalham somente para atender a LG. Sem a produção de telefones, elas deverão fechar, afirma a entidade. Pela manhã, nesta terça, a trabalhadoras dessas três empresas deram início a uma greve.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos encaminhou uma representação ao Ministério Público do Trabalho. A entidade diz que a possibilidade de haver demissão coletiva é ilegal e pede abertura de um inquérito civil.

“O clima nas fábricas é de indignação e muita preocupação. Estamos num momento de alto índice de desemprego, desindustrialização e pandemia”, diz Weller Gonçalves, presidente do sindicato.