Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
18 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Estadão

MANAUS – O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quinta-feira, 22, que o governo analisa estender a Operação Verde Brasil 2 na Amazônia até julho deste ano. A permanência dos militares na região teria como objetivo auxiliar no combate ao desmatamento. Presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Mourão afirmou que o objetivo do governo é diminuir o desmate entre 15% e 20%.

“Nós queremos apresentar um resultado positivo na faixa de uma redução entre 15% e 20% daquilo que tinha ocorrido no ano anterior”, disse Mourão, durante live promovida pelo programa “Brasil em Questão” nesta tarde. Essa redução almejada é referente aos índices registrados entre 1º de agosto de 2020 a 31 de julho deste ano, período correspondente ao ciclo de medição do Prodes, sistema do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os militares estão na Amazônia desde abril do ano passado. Com o fim da Operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), a previsão é que as Forças Armadas deixem a região em 30 de abril. Mas isso pode mudar, segundo Mourão. “Deixamos ainda em aberto a possibilidade de estender a Operação (Verde Brasil 2) até o final desse ciclo do Prodes, ou seja, até o dia 31 de julho”, disse Mourão.

Em março, o Inpe registrou aumento nos índices de desmatamento com 368 quilômetros quadrados de área desmatada – o maior volume registrado para o mês desde 2015. Hoje, o presidente Jair Bolsonaro reforçou, na Cúpula do Clima, o pedido por apoio estrangeiro para bancar as ações de combate ao desflorestamento.

O chefe do Executivo destacou o comprometimento de eliminar o desmatamento ilegal até 2030 e alcançar a neutralidade climática até 2050. A conquista das metas, contudo, foi condicionada ao apoio financeiro internacional e a “justa remuneração” ao Brasil pelos serviços ambientais prestados.