Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
12 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da assessoria

MANAUS –  A Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) sedia nesta quinta-feira, 29, um dia inteiro de debates e recital poético, na condição de única cidade, além de São Paulo, a participar dos preparativos para a realização das celebrações pelo centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, que revolucionou os movimentos artísticos no século 20.

O presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Alonso Oliveira, é o responsável pela realização do evento e receptivo aos convidados locais e nacionais. “Temos a honra de participar e promover o maior evento da intelectualidade e cultura brasileira que mudou os rumos e fez história das mais variadas manifestações artísticas”, comentou Oliveira, ressaltando que, entre as orientações do prefeito David Almeida, a promoção da cultura é um dos motores para o desenvolvimento da educação, turismo e todo o leque de negócios que movimenta a economia criativa.

Para o presidente do Concultura, Tenório Telles, articulador do evento em Manaus, a importância central se reflete na participação de  artistas, professores, ensaístas amazonenses e paraenses, como o  professor Paes Loureiro, atuando nesse evento é uma maneira de possibilitar aos intelectuais da região um protagonismo nesse debate sobre as expressões artísticas do nosso país. “Tenho certeza que as pessoas interessadas nesse tema vão ganhar muito a partir desse evento que vamos ter em Manaus e a edição das comemorações do centenário da Semana de 22”, explicou Telles,  já que Manaus assumiu o compromisso de promover e  patrocinar as comemorações na região Norte.

“O Modernismo não só se refletiu na Amazônia como a região também exerceu uma grande influência sobre o imaginário da literatura moderna brasileira”, justificou Telles pelas comemorações do centenário em Manaus, porque, de alguma forma, expressam essa relação que sempre existiu entre os grandes autores brasileiros  modernos e esse interesse, esse fascínio pela realidade amazônica com seus mistérios, suas lendas, seus mitos, todo esse universo mágico que envolve a Amazônia.

“E essa parceria da prefeitura, por meio da Manauscult e Concultura com a PUC, é oportuna, porque o país vive um momento também  de busca de novas possibilidades de construção social e política; e discutir a Amazônia e sua relevância no contexto da cultura brasileira é um tema do maior significado. “Além de nos integrar ao sudeste o motor da indústria cultural brasileira”, concluiu Telles.

Centenário

A Semana de Arte Moderna de 1922 foi um dos momentos mais significativos da cultura brasileira e teve profundas repercussões na forma de pensar e, principalmente, nos processos de expressão da cultura em geral.

Além disso, a Amazônia teve um impacto muito grande sobre a sensibilidade de muitos autores do Modernismo brasileiro, exemplo disso é Mário de Andrade, que escreveu a obra Macunaíma depois de uma viagem pela região. E um dos poemas mais conhecidos da literatura nacional, Cobra Norato, de Raul Bopp, nasceu do contato do poeta com a Amazônia.

Programação – Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922

Tema – “A Semana de 22: Tradição e Ruptura – O Modernismo e suas Projeções na Amazônia”

Dia 29 de abril de 2021

9h – ABERTURA

David Almeida – Prefeito

Alonso Oliveira – Diretor-presidente Manauscult

Sylvio Puga – Reitor da Universidade Federal do Amazonas – Ufam

Dra. Diana Navas – Programa de Literatura e Crítica Literária da PUC – SP

Tenório Telles – Presidente Concultura

9h30 às 10h30 – PALESTRA DE ABERTURA

A Semana de Arte Moderna: entre a tradição e a ruptura – fundamentos e desdobramentos na cultura brasileira

Dr. Marcos Frederico Krüger (UEA)

Mediador – Neilo Batista

INTERVALO ARTÍSTICO – RECITAL LÍTERO-POÉTICO – Leonardo Novellino

10h45 às 12h – MESA TEMÁTICA

Os fundamentos estéticos da Semana de 22 e suas projeções no processo cultural da Amazônia

Msc. Zemaria Pinto

Dr. João de Jesus Paes Loureiro (UFPA)

Mediador – Dr. Carlos Guedelha (UFAM)

14h às 15 h – MESA TEMÁTICA

A Amazônia e suas projeções na produção modernista brasileira – os casos Macunaíma e Cobra-Norato

Dr. Alisson Leão (UEA)

Dra. Neiza Texeira

Mediador – Dr. Saturnino Valladares (UFAM)

INTERVALO ARTÍSTICO – RECITAL LÍTERO-POÉTICO – Dori Carvalho

15h30 às 16h30 – Palestra de Encerramento

Clube da Madrugada: presença modernista no Amazonas – temas e percursos

Msc. Tenório Telles

Mediador – Msc. Ademir de Godoy Bueno (PUC)