8 de março de 2021

Carolina Givoni – Da Revista Cenarium

MANAUS – Imagens que circulam nas redes sociais nesta terça-feira, 19, mostram as servidoras nomeadas por David Almeida (Avante), para atuar na Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), sendo imunizadas com a vacina contra a Covid-19. Gabrielle e Isabelle Lins foram acusadas de “furar a fila” por não atuarem de fato na linha de frente nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de Manaus.

(Reprodução/Instagram)

Ambas pertencem à tradicional família Lins, que possui diversas alianças político-financeiras na capital amazonense. Uma fonte ligada à família contou para a REVISTA CENARIUM que Gabrielle se formou recentemente e ainda não possui registro no Conselho Regional de Medicina do Amazonas (CRM-AM). A própria Gabrielle usou as redes sociais para confirmar a informação, mas contesta que tenha tirado proveito do poderio político da família para se imunizar.

(Reprodução/Instagram)

“Oi Ana! Realmente eu sou médica sim, formada em maio de 2020. Desde a semana passada fui convidada pra atuar na atenção primeira à COVID, na nova UBS da prefeitura. E hoje durante meu plantão fui convidada a me vacinar juntamente com os demais médicos e enfermeiros das unidades. Realmente não propague fake news, isso é triste!”, diz.

(Reprodução/Facebook)

No entanto, ao ser questionada por um usuário do Facebook sobre a nomeação ter ocorrido às vésperas da imunização, Gabrielle não deu mais explicações. Uma amiga da médica, Angelina Ribeiro, saiu em defesa das irmãs, alegando que ambas atuam na UBS Nilton Lins desde a semana de inauguração ocorrida na terça-feira, 12.

(Reprodução/Facebook)

“Dentre as médicas nomeadas estão as Dras. GABRIELLE KIRK LINS e ISABBELE KIRK LINS, que são objeto de críticas públicas, por terem sido vacinadas, onde não há nenhuma irregularidade, pois se encontravam atuando legitimamente em local de trabalho para a qual foram designadas, em razão da urgência e exceção sanitária estabelecida nos primeiros 15 dias da nova gestão. Concluímos asseverando que nada houve de ilegal, pois fazem parte do grupo preferencial e estavam no exercício de suas funções”, diz trecho da publicação.

(Reprodução/DOM)

Desorganização

Sem um plano de imunização claro, a Prefeitura Municipal de Manaus (PMM), sob gestão de David Almeida, anunciou que nesta terça-feira, 19, a vacinação ocorreria de forma simbólica no auditório da sede do Executivo municipal, com a aplicação das primeiras doses a 30 profissionais de saúde. E que apenas na quarta-feira, 20, as 50 equipes de vacinadores da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) iniciam a vacinação volante em unidades de urgência e emergência da rede pública.

O que diz a PMM?

Até o fechamento da matéria, a CENARIUM enviou as seguintes perguntas à PMM.

1 – As funcionárias nomeadas ontem (18) e que tomaram a vacina hoje (19) já estavam atuando nas unidades de saúde da prefeitura? Pois há informações que elas atuam na UBS Nilton Lins há 7 dias.

2 – Sem a nomeação seria possível que as médicas atuassem na UBS?

3 – Uma das servidoras teria formação acadêmica em medicina veterinária. Os veterinários, posteriormente, não seriam imunizados conforme a chegada de novos lotes de vacinas?