2 de março de 2021

This post is also available in (Post também disponível em): English (Inglês)

Por Rodrigo Araújo*

PORTUGAL – Assim como ocorre no Amazonas, o Governo de Portugal já estuda a hipótese de transferir doentes de Covid-19 para outros países. Segundo a ministra da Saúde, Marta Temido, o Governo está a “acionar todos os mecanismos de que dispõe, designadamente no quadro internacional, para garantir uma melhor assistência aos utentes (pacientes)”, afirmou Marta Temido, em entrevista à rede de televisão portuguesa RTP.

Marta garantiu que há estrutura suficiente no País, mas revelou que a grande dificuldade está em encontrar profissionais de Saúde neste momento de pico da pandemia. “Nós temos camas disponíveis, o que muito dificilmente conseguimos ainda gerir são os recursos humanos”, admitiu. Vinte e dois mil profissionais de Saúde ficaram infectados com o novo coronavírus desde o início da pandemia em Portugal.

A ministra considerou que Portugal, geograficamente, tem uma “situação distinta” de outros países do centro da Europa, onde, mesmo em situação normal, aspectos como a circulação transfronteiriça de doentes já acontece como uma realidade simples. “Estamos num extremo de uma península e, portanto, com maiores constrangimentos geográficos. Mas, de qualquer forma, há mecanismos e há formas de obter auxílio e de enquadrar formas de colaboração”, admitiu, considerando que é preciso ter a “consciência de que a situação europeia é toda ela preocupante”.

Na mesma entrevista, a ministra da Saúde referiu também que, no âmbito do Serviço Nacional de Saúde, existem cerca de 5.600 pessoas internadas por Covid-19 e mais de 760 em unidades de cuidados intensivos, uma realidade “imaginável” no contexto dos “planos de catástrofe dos hospitais” públicos.

Portugal registrou mais 252 mortes por Covid-19 e 6923 novos casos de infecção no domingo, 24, de acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) da segunda-feira, 25.

(*) Colaboração especial para REVISTA CENARIUM