Menino de 9 anos, filho de líder rural, é morto a tiros em Pernambuco

Crime ocorreu em engenho onde moram mais de 60 famílias; Comissão Pastoral da Terra pede apuração de conflito agrário (Raul Spinassé/Folhapress)

Com informações da Folhapress

RIO DE JANEIRO – Um menino de 9 anos foi assassinado a tiros na noite de quinta-feira, 10, na frente dos pais, no município de Barreiros, em Pernambuco. O crime ocorreu no engenho Roncadorzinho, onde moram mais de 60 famílias.

Presidente da associação dos agricultores familiares do local, pai do menino, Geovane da Silva Santos, também foi atingido no ombro pelos disparos, mas sobreviveu.

PUBLICIDADE

Segundo informações de moradores do engenho, o assassinato ocorreu por volta das 21h, quando sete homens encapuzados e armados invadiram a casa de Geovane.

Crime ocorreu em um engenho onde moram mais de 60 famílias; Comissão Pastoral da Terra pede para que conflito agrário seja investigado
Cama onde o menino teria se escondido com a mãe antes de ser morto por homens encapuzados – Divulgação

De acordo com relato da mãe do menino à CPT (Comissão Pastoral da Terra), braço agrário da Igreja Católica, os suspeitos atiraram primeiro no homem. Ela e o filho se esconderam embaixo da cama, mas os criminosos arrastaram o menino e atiraram contra ele.

Agricultores afirmaram à CPT que a casa de Geovane já havia sido alvo de outros atentados. A comissão pede que a investigação do crime apure uma eventual relação com o conflito agrário existente na região.

A ocupação do engenho, pelas famílias, na condição de agricultoras familiares, ocorreu após a falência das usinas onde trabalhavam ou eram credoras.

Segundo a CPT, nos últimos anos, a comunidade vem sofrendo diversas ameaças e violências por empresas que exploram, economicamente, a área, com intimidações, destruição de lavouras e com contaminação das fontes de água.

Segundo a instituição, os casos já foram denunciados às autoridades, sem que medidas efetivas tenham sido tomadas pelo Estado.

O corpo da criança foi enterrado na tarde desta sexta-feira, 11. Moradores realizaram um protesto e levaram cartazes com dizeres de “saudades”.

Em nota, a Polícia Civil de Pernambuco afirmou que o delegado titular de homicídios de Palmares, Marcelo Queiroz, foi designado para apurar o fato. A Delegacia Seccional de Palmares e a Delegacia de Barreiros estão dando apoio nas investigações.

A corporação disse que “está empenhada na investigação, até a completa elucidação e responsabilização penal” dos envolvidos. Guarnições da Polícia Militar seguem fazendo incursões na área para localizar os suspeitos.

A polícia realizou perícia no local do crime, nesta sexta-feira, 11, e coletou o depoimento de dois vizinhos. Segundo Lenivaldo Lima, advogado da CPT, a cena do crime não foi preservada até o momento da perícia, já que a família havia lavado o cômodo após a morte do menino.

Ele disse à reportagem que os pais estavam muito abalados e que, por isso, ainda não haviam sido ouvidos pela polícia. A previsão é a de que eles prestem depoimento na segunda-feira, 15, à tarde.

Lenivaldo passou o dia todo no engenho, acompanhando a família. Ele diz que os moradores estão muito amedrontados e afirma que durante as conversas não surgiu outra possível motivação para o crime além do conflito agrário.

“Eles dizem: ‘Como que isso pôde ter acontecido? Uma família que não faz mal para ninguém, que não tem nenhum inimigo, nenhum desafeto'”.

O PEPDDH (Programa Estadual de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos) planeja uma visita à comunidade, neste sábado, 12, para fazer uma escuta no local.

Segundo informações repassadas à CPT, os moradores poderão ingressar neste programa ou no Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas de Pernambuco, a depender da avaliação.

Se houver interesse dos moradores, eles poderão deixar o local e ingressar, imediatamente, no Núcleo de Acolhimento Provisório.

PUBLICIDADE

O que você achou deste conteúdo?

Compartilhe:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.