4 de março de 2021

Com informações da Revista Forúm

Cerca de dois anos depois do presidente Jair Bolsonaro difundir fake news contra o carnaval de rua com o patético ‘O que é golden shower?’, foi a vez do ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, usar as redes sociais neste sábado, 13, para atacar o desfile das escolas de samba, um dos eventos turísticos mais importantes do país.

“Dá pra entender quem manda? Ou tem que DESENHAR?”, escreveu o ministro ao compartilhar uma imagem descontextualizada da comissão de frente da Gaviões da Fiel de 2019 – descrito erroneamente por ele como 2020 – e relacioná-lo com a ausência de carnaval em 2021.

“Não sou contra o carnaval, sou músico. Sou contra tripudiar e blasfemar (sic) o nosso Pai!”, completou.

Nas redes, Machado foi muito criticado. “O ministro do Turismo ficando feliz por não ter o MAIOR EVENTO TURÍSTICO DO PAÍS. Ah e pra tua informação seu jumento do caralho, esse enredo é de 2019 onde o BEM vence o mal”, tuitou o usuário @otiagof.

Gaviões 2019

Sob o enredo “A saliva do santo e o veneno da serpente”, a comissão de frente trazia uma luta entre diabo e Jesus Cristo. Em 2019, a Frente Parlamentar Evangélica da Câmara dos Deputados chegou a acusar a escola de preconceito religioso.

Na ocasião, o coreógrafo responsável pela comissão de frente, Edgar Júnior, chegou a explicar minuciosamente à Revista Veja ao que a apresentação se referia.

“O personagem do diabo está ali para testar a fé do Santo Antão. O enredo mostra que o diabo perde a batalha para os anjos do bem diversas vezes. Depois disso, ele coordena com as forças do mal e batalha com Jesus, que realmente sofre. Mas, no final, os anjos protegem Jesus e ele aparece forte, abençoa a plateia, os anjos do bem e do mal e até o diabo, porque ele é uma pessoa de luz. Acaba a guerra e ele fala com Santo Antão: ‘Não perca a sua fé, sempre vão testá-la, mas estou aqui contigo’”, disse.

“O recado era que todo dia estamos crucificando Jesus aos poucos”, completou.