21 de janeiro de 2021

Com informações da Folha de São Paulo

Um boletim de ocorrência por estupro foi registrado na madrugada desta segunda-feira, 23, no 14º Distrito Policial de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, contra o senador Irajá Silvestre Filho (PSD-TO), filho da também senadora Kátia Abreu (PP-TO).

O documento aponta que a vítima é uma modelo de 22 anos, que afirma ter conhecido o parlamentar durante um almoço no Jockey Club, na zona sul da capital paulista, no último domingo, 22. Na sequência, segundo o registro da ocorrência obtido pela reportagem, os dois seguiram para a casa noturna Café de La Musique, onde ela teria sido dopada, perdido a consciência e acordado em um flat, no Itaim Bibi, já sendo abusada pelo senador.

No boletim consta que a modelo acordou com o parlamentar em cima dela, a penetrando sem preservativo, e dizendo frases como: “você é minha” e “estou apaixonado”. Ela relatou à polícia que ficou com medo de ser agredida e, por isso, não resistiu ao abuso, mas pedia “insistentemente” para ir ao banheiro e tomar água, sem sucesso.

Quando conseguiu sair da cama, após dizer que estava passando mal, a vítima se trancou no banheiro e começou a pedir socorro aos amigos através de mensagens pelo celular. Segundo o relato, ela só teria deixado o local após a chegada de uma amiga.

Funcionários do hotel foram conduzidos à delegacia para depor como testemunhas. A polícia foi até o local, mas não encontrou o senador. O quarto foi preservado para perícia e a modelo passa por exames de corpo e delito e toxicológicos.

Com palavra, o Senador

“Foi com surpresa, decepção, tristeza e indignação que tomei conhecimento do episódio infame, maldoso e traiçoeiro envolvendo a minha vida e minha dignidade. Eu sempre pautei minha vida profissional, pública e pessoal pela ética, respeito e retidão, sendo inimaginável ser acusado de algo dessa natureza”, diz trecho do pronunciamento divulgado.

“O fato é que, como principal interessado na revelação ampla e total de toda essa farsa, solicitei que meu advogado, Daniel Bialski, reforçasse às autoridades responsáveis pela investigação do caso que requisitassem a realização de exame de corpo delito na acusadora para comprovar a verdade. Ressalto que compareci espontaneamente à delegacia responsável pela apuração dos fatos e pedi para ser submetido, voluntariamente, a exame de corpo de delito e toxicológico, tudo para desmistificar o quanto aleivosamente alegado”, continua.

Segundo ele, as filmagens, provas e testemunhas “hão de repor a verdade no seu devido lugar” e declarar inocência dele no caso. “Confio na polícia e na Justiça e sei que ficará provado que jamais houve nada que possa tangenciar qualquer comportamento inapropriado de minha parte”, finaliza.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.