Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da assessoria

A Comissão de Gênero e Raça do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas promove o evento on-line Desafios do cotidiano de mães de pessoas com deficiência, na próxima quinta-feira (10), às 16h. A ação une as comemorações pelo Dia Internacional da Pessoa com Deficiência e pelo Dia Internacional dos Direitos Humanos. Além disso, encerra os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher.

O objetivo é discutir os impactos que ser mãe de pessoa com deficiência traz ao cotidiano das mulheres, em especial, considerando que elas ainda são as maiores responsáveis pelos cuidados familiares e as mais afetadas, social e psicologicamente, por estas tarefas. Para isso, o MPF promoverá um debate ao vivo, pelo canal do MPF/AM no YouTube, com a mediação da  Procuradora Regional dos Direitos do Cidadão, Michèle Diz Y Gil Corbi.

A live será aberta a toda a sociedade e terá a participação da Procuradora Regional da República e Coordenadora do GT Memória e Verdade da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, Eugênia Augusta Gonzaga, da Diplomata e co-fundadora do Movimento Down, Christiane Bonomo, e da servidora da Manaus Previdência e pós-graduanda em Inclusão, Luciane Maria Fridschtein.

Sobre as participantes do debate

Eugênia Augusta Gonzaga é responsável por iniciativas pioneiras no MPF em defesa dos direitos humanos de crianças com deficiência intelectual à educação inclusiva. É autora e coautora de várias obras publicadas sobre direitos de pessoas com deficiência e Justiça de Transição. Membro do MPF desde 1997, Eugênia é mãe de dois filhos: Gabriela, de 25 anos, psicóloga; e de Vinicius, 21 anos, estudante de fotografia e que possui Síndrome de Down.

Cristiane Aquino Bonomo foi presidente do Comitê para Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência do Ministério das Relações Exteriores. Lidera iniciativa para promover a importação de produtos de acessibilidade sem aplicação de imposto pelo Movimento Down, em parceria com o Escritório de Advocacia Cescon Barrieu. Coordenou a atuação do Movimento Down na Ação no STF aberta pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Cofenem) que questionou a possibilidade de negação de matrícula para alunos com deficiência em escolas privadas no Brasil. É mãe do Vito (10 anos, Síndrome de Down, Apraxia e Epilesia) e da Lara (8 anos).

Luciane Maria Mártires de Lima Fridschtein está se especializando em Práticas inclusivas e Gestão das diferenças pelo Instituto Singularidades. É mãe de David de 8 anos e Arthur 5 anos. David tem deficiências múltiplas e é transplantado renal.

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência 

A data é promovida desde 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU). O dia simboliza uma oportunidade para ponderarmos sobre o lugar das pessoas com deficiência na sociedade e o que podemos fazer em prol da acessibilidade e da inclusão de forma a assegurar os direitos de todos.

Violência contra a mulher 

O dia 25 de novembro marcou o início aos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, campanha anual e internacional que vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

A campanha foi iniciada por ativistas no Instituto de Liderança Global das Mulheres, em 1991, e é uma estratégia de mobilização de indivíduos e organizações, em todo o mundo, para engajamento na prevenção e na eliminação da violência contra mulheres e meninas.