Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de janeiro de 2022
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações do Estadão

Com o avanço da variante Ômicron na Europa e nos Estados Unidos, o mundo passou da marca de 1 milhão de casos diários de Covid-19 pela primeira vez na pandemia na segunda-feira, 27. Segundo a plataforma Our World In Data, ligada à Universidade de Oxford, foram registrados 1,4 milhão de casos da doença. Estados Unidos, França e Reino Unido são os países com maior número de contágios em 24 horas.

A rápida propagação da Ômicron causará “um grande número de hospitalizações” de pessoas com Covid-19, embora seja uma variante um pouco menos perigosa do que sua antecessora – advertiu o braço europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira, 28.

“Um rápido aumento da Ômicron, como o que observamos em vários países – embora combinado com uma doença ligeiramente menos grave -, provocará um grande número de hospitalizações, especialmente entre os não vacinados”, afirmou Catherine Smallwood, uma das autoridades da OMS Europa.

Diante das incertezas sobre a nova variante detectada pela primeira vez no final de novembro na África do Sul, os países hesitam entre adotar fortes restrições ou uma estratégia mais flexível, devido aos sinais de menor gravidade da Ômicron. 

“É muito cedo para dizer se a onda da Ômicron será mais ou menos grave do que a da delta”, disse Smallwood, “embora os dados preliminares nas populações mais afetadas da Europa (Inglaterra, Escócia, Dinamarca) mostrem que a Ômicron pode dar lugar a um menor risco de hospitalização em comparação com a Delta”.