Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Site Brasil de Fato

BRASÍLIA – Levantamento divulgado pelo Food for Justice – Power, Politics and Food Inequality in a Bieconomy, da Universidade Livre de Berlim, em parceria com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Universidade de Brasília (UNB), mostra que 13,6% dos brasileiros com mais de 18% passaram ao menos um dia sem refeição, entre os meses de agosto e outubro de 2020.

A pesquisa que foi feita com 2 mil pessoas, entre novembro e dezembro de 2020, mostra que a insegurança alimentar – que atingia 36,7% das famílias brasileiras em 2018 – chegou a 59,4% dos domicílios. Ainda de acordo com o estudo, 6 em cada 10 residências brasileiras tiveram dificuldade para organizar, ao menos, três refeições diárias.

Os pesquisadores perguntaram se, entre os meses de agosto e outubro, algum dos entrevistados havia comido menos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida, 24,4% afirmaram que sim.

Ao todo, 125 milhões de brasileiros enfrentam alguma forma de insegurança alimentar. Seja a redução no número de refeições ou a redução da quantidade de comida no prato, para garantir que não passaria fome em outro momento.

Entre as famílias que enfrentam insegurança alimentar, 66,8% são chefiadas por pessoas pretas e 73,8% são mulheres. Nesses lares, a renda familiar não passa dos R$ 500, o que reforça a importância do auxílio emergencial. Nas casas que são assistidas pelo auxílio emergencial, 74,1% não tinham certeza se fariam uma refeição no dia.

Nas famílias que enfrentam insegurança alimentar, houve uma queda de 44% no consumo de carne, 40,8% na compra de frutas e 17,8% no uso de ovos nas refeições.