Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
24 de julho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Priscilla Peixoto – Da Revista Cenarium

MANAUS – Manter um relacionamento nem sempre é algo fácil. Além do sentimento, é necessário que se tenha respeito, cumplicidade, assim como outros fatores que ajudam a manter a relação. No entanto, a missão de manter uma história de amor duradoura já não é simples para os que vivem próximos fisicamente, imagine para aqueles que vivem uma relação à distância.

Desconfiança, ciúmes e insegurança podem atrapalhar a vida amorosa de quem vive essa realidade. Porém, há quem arrisque e invista na possibilidade. Segundo a terapeuta de casais Beth Ghimel, a “conexão e o querer” são peças-chaves para engrenar uma vida a dois, ainda que distante.

“Ao longo da minha jornada, já vi muitas histórias e posso dizer que o ‘querer fazer dar certo’ é fundamental. Vibrar na mesma frequência e estabelecer uma conexão de confiança e, acima de tudo, reciprocidade é indispensável”, explica a terapeuta.

Manutenção do amor

A manauara e acadêmica de odontologia, Márcia Jolie, de 27 anos, é um exemplo de quem resolveu apostar em uma relação fora do habitual. Com o namorado morando no Rio de Janeiro, a futura dentista relembra como foi topar viver um namoro a distancia.

“Por incrível que pareça, nos conhecemos no Tinder. Trocamos o WhatsApp e com isso passamos a conversar, e com o tempo descobri que ele era amigo de uns amigos meus que vieram para Manaus a trabalho. Achei que seria só mais um fica, porque até então nem cogitava na possibilidade de namorar, já que ele teria que voltar para o Rio de Janeiro. Antes dele ir, conversamos, pois já estávamos apegados e eu disse sim”, relembra Márcia.

Márcia e Jonathan em ponto turístico da capital amazonense (Arquivo Pessoal)

Ponte aérea

As idas e vindas para quem namora alguém de outro Estado ou País também é algo quase inevitável. No caso de Márcia não é diferente. No caso dela, é o namorado Jonathan que faz a ponte áerea para matar a saudade da amada. Para a surpresa da estudante, ao contrário dos que muitos pensam, a distância só uniu mais o casal.

“Confesso que achei que depois que ele fosse embora, as coisas iriam esfriar entre nós, só que ele conseguiu me surpreender, parece que com a distância ficamos mais íntimos e cheio de certeza que era isso que queríamos para nós. No mês de abril ele resolveu me fazer uma surpresa, veio para Manaus passar suas férias comigo sem que eu soubesse”, conta Márcia.

Fotos, áudios e redes sociais ajudam a amenizar a saudade (Reprodução/Internet)

Fortalecidos

Geralmente, a tecnologia é uma ferramenta essencial e útil para os distantes apaixonados. Chamadas de vídeos, aplicativos de mensagens, fotos, áudios e redes sociais ajudam a amenizar a saudade. Tudo isso somado a conversas, honestidade e clareza ao longo do cotidiano como destaca a Márcia Jolie.

“O que nos mantém juntos é a certeza de que, quando algo é de verdade, distância nenhuma impede. E, para as coisas darem certo, os dois têm que querer. Todo relacionamento tem que existir algo chamado confiança. Eu e Jonathan optamos a nos respeitar e ter confiança em ambos, mesmo que hoje em dia isso seja algo tão distante entre casais”, pontua Márcia.

Resolução de problemas

A terapeuta atenta para algumas questões aos que pretendem se envolver ou já quem esteja envolvido nesse formato de relação. Ela ressalta sobre a necessidade de se questionar e refletir sobre a decisão a ser tomada, para que não seja induzido apenas por uma carência.

“É preciso perceber se não estão tomadas pela carência, pela solidão e com ilusões passageiras. Por isso, sugiro sempre um encontro real, uma vivência básica para ver se há de fato um encaixe e que não estão confundindo outros fatores com amor. Depois disso fica tudo mais fácil e mais difícil ao mesmo tempo, pois vem a necessidade do toque, da presença física e aí começa o desafio onde cada casal administra de um jeito, mas todos movidos pelo que chamamos de um querer maior”, ressalta a terapeuta.

Sem dicas mágicas

Alinhar planos, ser presente (ainda que distantes), cuidar da intimidade. Dicas óbvias, mas que fazem a diferença não só nesse tipo de relação, mas até para quem divide a vida sob o mesmo teto e, segundo a terapeuta, fazem parte da construção diária de qualquer relacionamento. “A verdade é que não existem dicas prontas, o que existe é a vontade e a consciência de que o amor não é feito num passa de mágica, é construção”, finaliza a especialista.