Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
22 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Carolina Givoni – Da Revista Cenarium

MANAUS – Questionado pela REVISTA CENARIUM sobre estudos de uma possível mutação do novo coronavírus, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), declarou nesta segunda-feira, 11, que já existem pesquisas da Agência de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (MS) monitorando a situação na capital amazonense.

“Conversei com o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, que informou a existência de um estudo nesse sentido. E que por enquanto, não há nenhuma evidência científica sobre essa variante, se ela é mais grave do que a outra ou não”, detalhou Lima.

A polêmica surgiu após o governo japonês anunciar no domingo, 10, que as autoridades de saúde do país encontraram uma nova variante do coronavírus em quatro viajantes que estiveram no Brasil e voltaram ao Japão em 2 de janeiro.

“Há evidências de que há uma transmissibilidade maior do vírus nesse momento, mas tudo isso está sendo estudado pelos técnicos do MS. Inclusive, o Brasil está em contato com Japão para acompanhar os estudos desenvolvendo paralelamente aos daqui”, concluiu o governador.

Leia também: ‘Estamos pagando preço de festas clandestinas e das aglomerações’, diz governador do AM

Pazuello

O pronunciamento de Wilson Lima ocorreu após coletiva de imprensa com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em que foram anunciados planos do governo federal para o enfrentamento da pandemia de Covid-19 no Amazonas.

Leia também: No AM, Pazuello anuncia dia ‘D’ de vacinação e garante 100 milhões de doses aplicadas até junho

O general que comanda a pasta governamental desde 16 de maio de 2020, também fez declarações polêmicas e também chegou a reforçar a importância da imprensa contra fake news sobre a pandemia.

“A indiferença é um sentimento ruim, temos que banir a indiferença do nosso coração. Não podemos falar de números, mas de pessoas que morreram. Cada número é uma pessoa, um pai, uma mãe e um tio que partiu”, disse Pazuello sobre aglomerações e festas clandestinas realizadas em todo Brasil.