Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Estadão

SÃO PAULO – As negociações entre o Ministério de Minas e Energia (MME) e outros elos da cadeia do gás natural para encontrar meios de postergar a alta de 39% no preço da molécula fracassaram, e o reajuste tende a ser implementado a partir de 1º de maio. Participaram das conversas a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), a Petrobras e representantes das transportadoras de gás canalizado.

A principal alternativa colocada à mesa para solucionar o problema no curto prazo foi o adiamento do reajuste para evitar que ele entrasse em vigor em meio à pior fase da pandemia do novo coronavírus, postergando os efeitos sobre a indústria, comércio e consumidores residenciais, que já têm sentido no bolso a escalada da inflação.

Foi justamente essa proposta que fracassou, segundo apurou o Broadcast Energia (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), uma vez que as proprietárias dos gasodutos não desistiram de receber já a parte que cabe a elas no reajuste.

“Para isso (a postergação) acontecer, precisaria haver alinhamento com todos os agentes do setor, o que não aconteceu”, explicou diretor de Estratégia e Mercado da Abegás, Marcelo Mendonça.

Outras propostas foram colocadas em discussão, visando mitigar impactos no preço do gás natural no médio prazo, entre elas a criação de uma “conta-corrente” para amortizar a alta de preços; acelerar a implementação do mecanismo que estabelece que todos os produtores sejam obrigados a disponibilizar sua produção para o mercado, possibilitando que os consumidores livres, comercializadores e distribuidoras estaduais tenham outras fontes de aquisição e um leilão de oferta de gás natural para entrega em cinco anos, aberto para consumidores livres, comercializadores e distribuidoras estaduais.

Segundo Mendonça, embora o encaminhamento das reuniões sugira que o reajuste de 39% será aplicado, a entidade continuará negociando com os órgãos reguladores para tentar aplicar medidas que no médio prazo aumentem a concorrência no mercado de gás e funcionem como mitigadoras de aumento de custos. “Qualquer aumento de preço reduz competitividade do gás e estimula grandes indústrias a procurarem combustíveis alternativos”, afirmou.