7 de março de 2021

Com informações da CNN

SÃO PAULO – Nove crianças indígenas da etnia Yanomami morreram com sintomas graves de Covid-19. A informação é do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kuana (Condisi YY), que encaminhou ofício para a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) com os detalhes sobre as vítimas.

O documento é assinado por Júnior Hekurari Yanomami, presidente do conselho do Distrito Sanitário Especial Indígena, e direcionado ao coordenador distrital de saúde indígena Yanomami, Rômulo Pinheiros de Freitas, e ao secretário da Sesai, Robson Santos Silva.

Na solicitação, Júnior diz que, via radiofonia, foi informado pelo Agente de Saúde Indígena Alex Yanomami que quatro crianças morreram na Comunidade Waphuta, com sintomas de Covid-19. Alex também informou que pelo menos outras 25 crianças apresentaram sintomas graves da doença.

Ainda segundo Júnior, um professor da comunidade de Kataroa informou que cinco outras crianças suspeitas de Covid-19 morreram. De acordo com o Condisi YY, a Unidade Básica de Saúde Indígena de Wabhuta e Kataroa encontram-se fechadas por falta de helicóptero, que “comprometeu o conjunto de ações e serviços de saúde prestados para o usuário indígena”. A documentação pediu o envio de uma equipe de saúde para as regiões em questão.

De acordo com o boletim da Secretaria Especial de Saúde Indígena, do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 41.625 casos confirmados e 544 mortes pela Covid-19 entre indígenas até 29 de janeiro.

Já segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, que realiza o monitoramento com informações também fora dos Distritos Sanitários Especiais Indígena, foram registrados 47.522 casos confirmados e 942 mortes em decorrência da doença.