Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
23 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Estadão Conteúdo

SÂO PAULO – O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) renovou nesta segunda-feira, 1º, o pedido apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que os recursos recuperados pela Operação Lava Jato sejam usados no plano de vacinação nacional contra a covid-19.

O documento foi encaminhado ao gabinete do ministro Ricardo Lewandowski, relator da ação, depois que o procurador-geral da República Augusto Aras informou que há mais de R$ 1,2 bilhão ainda sem destinação específica em contas judiciais ligadas às forças-tarefas do Rio de Janeiro e de Curitiba.

A OAB insiste que o Brasil vive o pior momento na pandemia do novo coronavírus e que a liberação da verba para a aquisição de imunizantes ajudaria a enfrentar a crise sanitária.

“Diante da gravidade da emergência causada pela pandemia do coronavírus é necessário que sejam adotadas medidas suficientes para a proteção ao direito à saúde e vida da população brasileira”, argumenta o presidentes da OAB, Felipe Santa Cruz. “A imunização da população por meio da vacina contra a covid-19 tem sido apontada como a principal resposta para a atual crise sanitária que o Brasil e o mundo enfrentam”, acrescenta.

A ação em questão foi apresentada em dezembro. Na ocasião, o OAB apontou omissão do governo Jair Bolsonaro em traçar um plano definitivo nacional de imunização e pediu, além da reserva das verbas recuperadas pela Lava Jato, que o Ministério da Saúde seja obrigado a comprar vacinas aprovadas por autoridades sanitárias internacionais, mesmo sem registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).