Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
21 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Rômulo D’Castro – Da Cenarium

PARÁ – Os 17 presos na Operação Rio Nambu, deflagrada pelas polícias Civil e Militar, no sábado, 8, e domingo, 9, já estão no Presídio de Cucurunã, em Santarém, Oeste paraense. Os criminosos foram flagrados durante abordagem e, contra os suspeitos, a polícia tinha uma lista de acusações: invasão de terras da União, grilagem (falsificação de documentos de posse) e até ameaças de morte.

A Gleba Arraia II, onde os policiais flagraram a ação dos criminosos, fica localizada no Oeste do Pará, entre os municípios de Aveiro e Itaituba, a cerca de 800 quilômetros de Belém. Em 2018, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) autorizou que colonos e povos tradicionais dessa região do Estado pudessem morar no local, mas mantendo uma série de medidas estipuladas pelo Estado. Desde então a Gleba passou a ser alvo de grileiros que tentam invadir a área. Em momentos mais tensos, segundo a Polícia Civil, os criminosos usaram espingardas para expulsar ocupantes.

Policiais em área invadida ilegalmente na região Oeste do Pará. (Reprodução/Polícia Civil do Pará)

A briga não se limita às ameaças a quem ocupa a Gleba com consentimento do Incra. Os próprios invasores teriam travado uma guerra entre si. O delegado responsável pela Operação Rio Nambu, Jardel Guimarães, explica que a Delegacia Especializada em Conflitos Agrários e o Tático da PM encontraram, com os criminosos, “motosserras e outros apetrechos, farto material que os suspeitos usavam para derrubar a mata”.

Criminosos usavam armas durante ameaças; motosserras também foram apreendidas. (Reprodução/Polícia Civil do Pará)

A operação vai continuar, garante o delegado que conduziu as prisões na Gleba Arraia II. Invasão de terras e grilagem são crimes comuns no Pará. Um levantamento da Pastoral da Terra, órgão ligado à Igreja Católica e que realiza constantes campanhas contra crimes ambientais, aponta que, no ano passado, das 1.576 ocorrências só de conflitos relatados à polícia, 245 foram em território paraense.

Veja a entrevista do delegado Jardel Guimarães sobre a operação:

O delegado responsável pela Operação Rio Nambu, Jardel Guimarães. (Reprodução/Polícia Civil)