Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
10 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da assessoria

MANAUS – Dois caminhões com cerca de 135 metros cúbicos de madeira ilegal foram apreendidos, na manhã desta quarta-feira, 28, durante a Operação Integrada “Tamoiotatá”, do governo do Estado. A ação desencadeada pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e pela Polícia Militar, por meio do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAmb), ocorreu em Humaitá (a 590 quilômetros de Manaus). Mais de R$ 40 mil em multas foram aplicadas.

A equipe recebeu uma denúncia de que veículos trafegavam pela BR-230 e por ruas estreitas da cidade, na tentativa de não chamar atenção da equipe de fiscalização. Ao tentar fazer uma curva, um dos caminhões colidiu em uma calçada. O Ipaam aplicou duas multas, que somam o valor de R$ 40.532 mil.

De acordo com o agente de fiscalização do Ipaam, Isaías Pereira, o motorista não portava o Documento de Origem Florestal (DOF), que é necessário para circulação de matéria-prima de origem florestal. “Ao ser questionado, o condutor de um dos veículos relatou que eles não portavam o DOF. Dessa forma, começamos a fazer os procedimentos e vamos apreender os caminhões e a madeira”, explicou.

O sargento do Batalhão Ambiental, Dirlei Alfaia, informou que os dois motoristas foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil do município. “Viemos dar o apoio para os agentes do Ipaam, sobre essas duas carretas que estavam circulando na cidade. Os condutores foram deslocados até o DIP aqui do município para os procedimentos cabíveis”, disse.

O Batalhão da Polícia Militar e o Ipaam alertam que ter em depósito, transportar ou guardar madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem licença válida para todo o tempo da viagem ou do armazenamento, outorgada pela autoridade competente, configura crime ambiental, sujeitando seu autor às penalidades previstas na lei.

Operação Tamoiotatá 

Por meio da “Tamoiotatá”, as equipes de fiscalização, coordenadas pelo Ipaam, estão em campo desde 1º de abril. A proposta é atuar previamente contra o desmatamento, para diminuir a quantidade de áreas prontas para a queima no período de estiagem, no segundo semestre do ano. A área prioritária de atuação tem sido o Sul do Amazonas, que concentra a maior quantidade de crimes ambientais do gênero.

Além do Batalhão Ambiental e do Ipaam, a ação interinstitucional do Governo do Amazonas conta com a atuação da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), bem como da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil do Amazonas.