8 de março de 2021

Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – O Amazonas está entre os estados que registraram quedas mais intensas na produção industrial brasileira de novembro para dezembro de 2020, na série com ajuste sazonal. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a redução foi de -3,7%.

Este recuo eliminou a expansão de 3,6% que havia sido observada no último mês de novembro. Além do Amazonas, a Bahia -4,0% também apontou redução em dezembro de 2020, deixando o avanço de 35,5% do período de maio-novembro de 2020 para trás. Pernambuco -2,9% e Goiás -0,8% foram os demais resultados negativos nesse mês.

Segundo o Orígenes Martins Junior, o motivo do recuo no mês de dezembro no Estado foi o violento aumento de casos de Covid-19, que impactou no funcionamento do comércio. “A economia do Amazonas vem sofrendo um impacto violento por causa desses aumentos de casos, a população continua não ajudando e a economia acaba sofrendo com isso”, lamentou.

O economista continuou as observações quanto ao comportamento social. “As pessoas não entendem que quando elas não fazem sua parte, o comércio e a indústria acabam não podendo trabalhar e isso vai causando desemprego e todo o efeito dominó que prejudica o processo econômico como um todo”, lembrou o economista.

Comparação com 2019

Comparando com dezembro de 2019, o Amazonas apresentou aumento de 9,6% na produção industrial do estado, ficando entre 12 dos 15 locais pesquisados que tiveram resultado positivo. Os outros estados que cresceram acima da média nacional 8,2% foram Rio Grande do Sul com 19,7%, Paraná 18,9%, Santa Catarina 18,7%.

Seguidos de Minas Gerais 18,4%, Ceará 17,7%, São Paulo 17,5% e Pernambuco 8,3%. Já a Região Nordeste cresceu 5,7%. Os Estados do Espírito Santo 4,2%, Pará 2,3%, Mato Grosso 1,2% e Bahia 0,4% também cresceram, mas se mantiveram abaixo da média nacional. Os federados Rio de Janeiro -3,9% e Goiás -3,5% apontaram os recuos nesse mês.

Para o economista Orígenes Martins Junior, o Amazonas só ficou atrás de estados do sul do País por causa do agronegócio. “O IBGE mostra a redução da atividade e da produção do Amazonas no período de novembro para dezembro de 2020. Porém, se você prestar atenção na tabela, continuamos mantendo uma boa produção na comparação com 2019”, comparou.

“Só ficamos abaixo de estados como Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul porque esses estados são os maiores produtores do polo agroindustrial. O agronegócio foi o setor que mais produziu e se manteve durante o ano de 2020, mesmo com todos os problemas advindos da pandemia”, reforçou o economista.

Acumulado de 2019/2020

Já no acumulado de 2020, frente ao igual período de 2019, o Amazonas registrou queda de -5,5%, ficando entre 12 dos 15 locais pesquisados que registraram queda na produção. Além do Amazonas, registraram quedas mais acentuadas que a média nacional -4,5: Espírito Santo -13,9%, Ceará -6,1%, São Paulo -5,7%, Rio Grande do Sul -5,4%, Bahia -5,3% e Mato Grosso -5,2%.

Os estados de Santa Catarina -4,4%, Minas Gerais -3,2%, a Região Nordeste -3,0%, Paraná -2,6% e Pará -0,1% completaram o conjunto de locais com queda na produção no índice acumulado no ano. Por outro lado, Pernambuco 3,7%, Rio de Janeiro 0,2% e Goiás 0,1% tiveram crescimento na produção na comparação.