Papa Francisco pede que pais não condenem seus filhos devido à orientação sexual

Com informações da Folha de S. Paulo

CIDADE DO VATICANO – Durante audiência semanal do Vaticano realizada nesta quarta-feira, 26, o papa Francisco fez um apelo para que os pais não condenem seus filhos devido à orientação sexual. O pontífice já havia dito, em outra ocasião, que pessoas LGBTQIA+ têm o direito de serem acolhidas por suas famílias.

Francisco falava sobre a dificuldade que os pais podem enfrentar na criação dos filhos quando elencou a importância de “não se esconder atrás de uma atitude de condenação” diante da orientação sexual.

Ele também disse que, embora a Igreja Católica não aceite uniões entre pessoas do mesmo sexo, a instituição pode e deve apoiar leis de união civil destinadas a dar a esses casais direitos igualitários em áreas como acesso à saúde e compartilhamento de bens.

O Vaticano anunciou, no ano passado, que padres e outros ministros da igreja não podem abençoar casamentos entre pessoas do mesmo sexo e que tais bênçãos não serão consideradas lícitas se forem realizadas, uma vez que, dizia o comunicado, “Deus não pode abençoar o pecado”.

Em alguns países, entre os quais os Estados Unidos e a Alemanha, paróquias e religiosos começaram a realizar uniões de pessoas do mesmo sexo, e houve pedidos para que o Vaticano institucionalizasse esse direito. A ala mais conservadora da igreja, por outro lado, alega que o papa Francisco tem dado sinais contraditórios sobre o casamento homossexual, levando à confusão dos fiéis.

Francisco, que lidera a igreja desde 2013, adotou postura mais aberta sobre o tema, mas não mudou dogmas da instituição, como mostra a decisão de não abençoar a união de pessoas do mesmo sexo.

O pontífice disse que jamais poderia julgar um gay, sinalizou que os católicos devem acolher crianças de casais do mesmo sexo e já recebeu transexuais e defensores do aborto em audiências.

Um dos principais opositores ao casamento gay na igreja é o papa emérito Bento 16, atualmente envolvido em uma investigação por supostamente ter acobertado casos de abuso sexual de crianças quando era arcebispo de Munique. Em uma biografia autorizada, ele comparou a união homossexual ao “anticristo”.

Em dezembro, um departamento do Vaticano pediu desculpas por “causar dor a toda a comunidade LGBTQ” após ter removido do site institucional um link para o material de divulgação de um grupo católico que atua em defesa dos direitos LGBTQIA+.

Nesta semana, um grupo de 125 católicos LGBTQIA+ da Alemanha denunciou o que eles chamam de política discriminatória da igreja. Padres, ex-sacerdotes, professores de teologia, voluntários das paróquias e praticantes da religião pediram uma mudança no “código trabalhista discriminatório” da instituição e a eliminação da “redação degradante e excludente” de regulamentos da igreja.

Além de retomar o respeito à comunidade, o papa também abordou, na audiência desta quarta, a tensão na Ucrânia, segundo informações do jornal americano National Catholic Reporter. O país do Leste Europeu assiste ao avanço de tropas da Rússia na fronteira de seu território, movimentação que abriu uma nova frente de crise com o Ocidente.

Francisco fez um apelo por paz. “Eles são um povo que sofre”, disse, falando sobre os ucranianos. “Sofreram fome e tanta crueldade que merecem paz”, acrescentou, pedindo orações para o país. “Por favor, nunca faça guerra.”

As falas do pontífice vêm poucos dias após Francisco atribuir, pela primeira vez, os ministérios leigos da Igreja Católica de Leitorado e Catecismo a mulheres. Os cargos já haviam sido femininos em outras ocasiões, mas sem o reconhecimento institucional formal.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

VOLTAR PARA O TOPO