Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
27 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Mencius Melo – Da Revista Cenarium

MANAUS – Pelo visto, o ímpeto quase incontrolável de voltar a orar, está fazendo com que lideranças evangélicas, como o deputado federal Silas Câmara (Republicanos -AM), pressionem cada vez mais o governador Wilson Lima (PSC), pela reabertura dos templos já no domingo, 29, mesmo com o decreto previamente anunciado para dia 1º de junho, na segunda.

Para pesquisadores e cientistas, o perigo dessa pressão reside exatamente, nas consequências que a aglomeração em templos pode causar.    

Para Lucas Ferrante, pesquisador doutorando do INPA e membro do Grupo Multi-institucional de Cientistas, que assinou o estudo sobre a pandemia da Covi-19, em Manaus, a pedido do Ministério Público Federal (MPF/AM), a ideia e a pressão pela reabertura, são absurdos. “É difícil até ser crítico diante disso, porque não dá para imaginar um cristão, propondo expor a vida de seus irmãos dessa forma, como cristão me questiono: como podem propor isso?”, lamentou o pesquisador.

Segundo Ferrante, o quadro, com a abertura, pode piorar nas próximas semanas. “A aglomeração vai se refletir no número de mortos e se a ideia dos pastores é aproximar seus fiéis do Criador, acredito que eles já estão arrumando um encontro direto com Deus”, alertou.

Questionado sobre o discurso pastoral de que ‘todos os templos seguirão todas as regras’, Lucas Ferrante foi taxativo. “É um absurdo acreditar que os templos irão operar com 30% de sua capacidade de público”, desacreditou.  

Em seguida questionou com ceticismo. “Quem vai fazer a triagem para dizer quem pode e quem não pode entrar? Até porque, existem centenas de igrejas que sequer têm estrutura para receber e mesmo assim, ficam lotadas”, observou.

Normas sanitárias

Presidente da Frente Parlamentar Cristã da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE/AM) o deputado estadual João Luiz (Republicanos) diz que as igrejas estão empenhadas em seguir todas as normas sanitárias previstas no decreto estadual, bem como as recomendações de prevenção da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O parlamentar fala com segurança. “Os cuidados essenciais e necessários deverão ser devidamente adotados. As igrejas estão empenhadas em atender as recomendações e cumprir todas as medidas de segurança. Tudo para assegurar a saúde dos frequentadores”, explicou João Luiz.

Questionado pela reportagem da REVISTA CENARIUM, sobre como se dará o controle sobre centenas de templos espalhados por Manaus? Ele respondeu. “As coordenações e as lideranças das igrejas estão trabalhando e orientando as equipes internas com relação a fiscalização das regras que estão no decreto, cumprindo todas as normas previstas”, respondeu.

Ainda segundo o líder evangélico, o principal componente contributivo, para que tudo dê certo, é a responsabilidade. “Contamos com a contribuição dos pastores e dos fiéis para garantir que o protocolo seja cumprido.”, destacou.

A psicóloga Neyla Siqueira não acredita que as igrejas consigam cumprir as normas sanitárias e com isso, proteger o público de uma possível contaminação por Covi-19. Segundo ela, a conexão com Deus pode ser feita individualmente. (reprodução)

Psicologia social

A psicóloga Neyla Siqueira vê com preocupação a liberação e questiona sobre a essencialidade. “Com o fechamento estipulado, com as orientações, e com tudo legitimado a nível de isolamento, nada foi cumprido à risca. Se o essencial é o básico para a manutenção da vida, será que reuniões, mesmo com 30% da demanda do local, são essenciais?”, pergunta.

Com precisão, ela afirma. “Se vai gerar aglomeração e hoje a aglomeração é um atentado à vida, então não é essencial”, avaliou.

Neyla Siqueira chama atenção para outro detalhe. “As igrejas grandes podem até ser mais fiscalizadas, mas, e as igrejas de bairro? Que são muito maiores em quantidade, elas entenderão essas demandas?”, indagou.

Fé urgente!

Nesta sexta-feira, 29, segundo o site O Antagonista, a pressão político religiosa, vem diretamente do deputado federal Silas Câmara (Republicanos -AM), que não vê a hora de ‘lotar’ os templos. “A nossa luta e a nossa alegria é para que a abertura seja em 31 de maio. Para nós, cristãos, domingo é o dia da benção”, exortou ele, em vídeo lançado nas redes sociais.

Presidente da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional, conhecida como a ‘Bancada da Bíblia’, e sempre eterno candidato a qualquer cargo majoritário no Amazonas, Silas Câmara já havia conquistado, por pressão, o direito de reabrir templos como atividade essencial. Agora luta para encurtar o calendário, nem que seja um único dia.