8 de março de 2021

Com informações do G1

MANAUS – O inquérito foi aberto por determinação do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Lewandowski avaliou que, por se tratar de uma fase inicial das investigações, Pazuello poderia escolher data, horário e local do depoimento. O ministro depôs no hotel militar onde mora.

No pedido do inquérito, a PGR argumentou que o Ministério da Saúde recebeu informações sobre um possível colapso do sistema de saúde na capital do Amazonas ainda em dezembro, mas só enviou representantes ao estado em janeiro deste ano.

Ainda em janeiro, o sistema de saúde do estado entrou em colapso com a disparada dos casos de Covid-19.

Nos momentos mais críticos da crise, os hospitais, superlotados não conseguiam receber pacientes e foi necessário iniciar a transferência para outros estados. Unidades de saúde ficaram sem oxigênio hospitalar para tratar os doentes. O estado registrou forte alta nas mortes por Covid-19.

Entre as possíveis falhas do ministério, a PGR também apontou indícios de atraso para o envio efetivo de oxigênio hospitalar às cidades amazonenses.