Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
16 de setembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml
Marcela Leiros – Da Cenarium

MANAUS – “Hoje o produtor está plantando o capim para ver se consegue manter o gado depois da grande cheia que tivemos”. O relato do agricultor familiar e produtor de gado Antônio Alves resume o drama vivido por criadores de gado de todo o Amazonas, afetados pela cheia histórica dos rios neste ano. Ele foi um dos beneficiados pelas mais de 500 toneladas de farelo de trigo e sal entregues pelo Governo do Amazonas nesta terça-feira, 14.

A entrega de farelo de trigo e sal aos 28 produtores de Iranduba aconteceu no Galpão da Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), no Km 2 da AM 070 (rodovia Manoel Urbano), que liga Manaus ao município localizado na região metropolitana. Cerca de 830 pecuaristas serão beneficiados em outros 11 municípios amazonenses onde a atividade agropecuária é intensa.

Veja também: Cheia histórica: subida das águas e o desafio de quem vive seus impactos

“Hoje, a maioria das várzeas onde colocava o gado na época da seca não tem mais. É importante essa ajuda que o governo está dando, porque além de tudo isso ainda tem o aumento. Ano passado se comprava o saco de farelo a R$ 25 e hoje está R$ 78”, completou o agricultor, que é residente na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro e possui 25 cabeças de gado.

O pecuarista Antonio Alves (Ricardo Oliveira/Cenarium)

O sal é um importante suplemento dado ao gado para repor a deficiência mineral devido à falta de capim. No total, foram distribuídos, apenas neste primeiro dia da iniciativa, mais de 8,5 mil sacos de farelo de trigo com 50 quilos cada e mais de 3,3 mil sacos de sal com 30 kg cada. Além de Iranduba, os produtores de Autazes, Barreirinha, Boa Vista do Ramos, Careiro, Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Manacapuru, Manaquiri, Parintins, São Sebastião do Uatumã e Urucurá também receberão os suplementos.

Entrega

A entrega foi realizada pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, em ação coordenada pelo Sistema da Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror), Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Estado do Amazonas (Idam) e a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf).

“Nós estamos lançando mais uma ajuda os que foram atingidos de forma muito severa pela maior ceia de todos os tempos. Muitos pecuaristas tiveram perdas e a gente está garantindo, nessa entrega, para que o animal, o gado, tenha seu alimento”, disse o governador.

O rio Negro, no Amazonas, atingiu a maior cota da histórica neste ano, quando chegou a 30,02 metros em 16 de junho. Essa foi a maior cheia de sua história desde o início dos registros, em 1902.

Leia também: Em Manaus, nível do rio Negro atinge nova marca histórica de 30,02 metros