Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
12 de maio de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações do Portal Alma Preta

ÁFRICA – Uma pesquisa do instituto Ipsos mostra que metade das famílias da África do Sul estão sem comida devido à pandemia da Covid-19, aumentando a preocupação de que milhões de sul-africanos desnutridos possam sofrer de doenças graves caso uma terceira onda de contágio do vírus atinja o País e atinja a população com o sistema imunológico frágil.

“É interessante notar que o top 3 em problemas sociais e econômicos, que são as províncias de Cabo Oriental, KwaZulu-Natal, bem como o noroeste obtiveram grandes índices. Por exemplo, no Kwazulu-Natal, Cabo Oriental e no Noroeste, o impacto de perda de rendimentos ultrapassou os 60% e o sofrimento por stress e outras doenças passou também dos 60%, assim como o sofrimento da fome. Quer dizer, todos eles foram registrados em situação de emergência e estavam entrando em uma crise”, disse o CEO temporário da Operação Fome, Sandy Bukula. 

A pesquisa da Ipsos  também mostra que, na época do trabalho de campo, mais de 40% dos sul-africanos de todas as idades foram afetados pela fome. “Todos os grupos populacionais foram afetados, com cerca de metade dos índios e negros passando fome. Essa também é a realidade de quatro em cada dez pessoas de cor e três em cada dez pessoas brancas.”

Os trabalhadores humanitários expressaram preocupação com o agravamento do impacto da pandemia da Covid-19 no Cabo Oriental, KwaZulu-Natal e no Noroeste. Isso ocorre em meio a um número crescente de infecções no País.

Na sexta-feira, 23, à noite, a África do Sul registrou mais um aumento nacional de mais de 1000 casos de coronavírus. O departamento de saúde informou que 1.637 pessoas testaram positivo para o vírus no último período do relatório. KwaZulu-Natal tem de longe o maior número de casos positivos de coronavírus, com mais de 5.000.