Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de abril de 2021

Dólar

Euro

Manaus
23oC  29oC
Acompanhe nossas redes sociais

Com informações da Revista Fórum

MANAUS- Trabalhadores de Sindipetros filiados à Federação Única dos Petroleiros (FUP) iniciaram, nesta sexta-feira, 5, greves regionais em São Paulo, Amazonas e no Espírito Santo. Na Bahia, a categoria retomou, por tempo indeterminado, a paralisação que tinha sido suspensa durante negociação com a Petrobras. Sem avanços, os petroleiros recomeçaram o movimento.

Houve, ainda, mobilizações e protestos na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, e na Usina do Xisto (SIX), no Paraná. Nas duas unidades, os trabalhadores também aprovaram a greve e devem iniciar o movimento nos próximos dias.

Nas demais bases da FUP, a categoria segue em assembleia. O movimento cobra da Petrobras condições seguras de trabalho, o fim do assédio moral a trabalhadores, a manutenção dos empregos e o respeito ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Além disso, a mobilização quer chamar a atenção da população para os prejuízos da “privatização aos pedaços” da Petrobras, que a atual gestão está promovendo, como a venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, para o Fundo Mubadala, por US$ 1,65 bilhão, valor abaixo do mercado.

“A greve se faz necessária porque a gestão da Petrobras insiste em não negociar pontos sensíveis para a nossa categoria. Sempre estamos dispostos à negociação e ao diálogo, mas, infelizmente, a empresa não tem valorizado essa característica. Mesmo quando propõe mesas de negociação, a Petrobras ignora nossas reivindicações e não faz contrapropostas”, explica o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar.

Desinvestimento

Além das reivindicações da categoria, Bacelar reforça que a mobilização quer mostrar à sociedade os impactos que a política de desinvestimento da atual gestão da Petrobras terá sobre a população e a própria companhia.

“Os ativos vendidos e à venda, com raríssimas exceções, têm valor presente líquido positivo e podem gerar lucros para a Petrobras por muitos anos. No entanto, alegando um endividamento bastante questionável, a gestão da empresa se desfaz de verdadeiras ‘galinhas dos ovos de ouro’. No final, a conta também será paga pela população, já que o governo federal é o maior acionista da Petrobras”, destaca.