Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
1 de dezembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do Infoglobo

BRASÍLIA — Com o avanço das investigações sobre os atos antidemocráticos do último dia 7 de setembro, a Procuradoria-Geral da República (PGR) identificou que a organização dessas manifestações teve início após uma convocação feita pelo próprio presidente Jair Bolsonaro semanas antes.

É a primeira vez que a PGR cita nominalmente Bolsonaro dentro do inquérito, em um documento sigiloso enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 4 de setembro. O procedimento ainda não deixa claro, entretanto, se o presidente é investigado neste caso, nem descreve quais seriam os eventuais crimes cometidos por ele em função de seu vínculo com os atos. Os ataques dele à Corte também já lhe renderam a inclusão como investigado no inquérito das fake news.

A partir das provas colhidas, a PGR também tenta rastrear a participação de ministros do governo na organização desses atos. Com isso, a investigação avança para as digitais do Palácio do Planalto nas manifestações antidemocráticas. O GLOBO teve acesso a detalhes inéditos do inquérito, que tramita em sigilo no STF, sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes.

Para a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, responsável pelo caso, a convocação para ataques às instituições democráticas teve início no dia 15 de agosto, quando Bolsonaro teria divulgado uma mensagem para seus contatos no WhatsApp defendendo a organização de um “contragolpe” às manifestações contrárias a sua gestão.

No documento, a PGR cita essa divulgação como sendo uma “entrevista” dada por Bolsonaro. “A princípio, a organização da realização de prováveis atos de ataque à democracia e às instituições iniciou-se com entrevista do presidente da República informando que haveria ‘contragolpe’ aos atos entendidos como contrários à sua gestão, em 15 de agosto do presente ano”, escreveu Lindôra.

Por isso, a PGR estabeleceu o dia 15 de agosto como “marco temporal em que iniciadas as convocações para os atos antidemocráticos previstos para o dia 7.9.2021”. Com base nessa data, a investigação busca rastrear o fluxo financeiro dos alvos para descobrir os financiadores.

Nos depoimentos já colhidos pela Polícia Federal, investigadores fizeram questionamentos sobre a relação dos alvos com ministros do governo e com parlamentares bolsonaristas. Investigados no inquérito por organizar os atos publicaram, por exemplo, fotos nas redes sociais com o ministro Heleno, indicando que se encontraram com ele em Brasília.

Um dos principais investigados é o caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão, atualmente foragido no México. Ele incentivou paralisações de caminhoneiros para o dia 7 de setembro com o objetivo de pressionar o Senado pela destituição dos ministros do STF.

No depoimento de Zé Trovão, prestado em 20 de agosto, antes da ordem de prisão, os investigadores o questionaram sobre encontros que os organizadores dos atos antidemocráticos tiveram com os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Gilson Machado (Turismo) em Brasília em agosto. Também perguntaram sobre as reuniões do grupo com os deputados federais Nelson Barbudo (PSL-MT) e Hélio Lopes (PSL-RJ), aliados de Bolsonaro. “Tais encontros foram casuais”, respondeu Zé Trovão.

Planalto não comenta

O grupo do caminhoneiro participou de reunião no Palácio do Planalto no dia 11 de agosto com a Secretária Especial de Articulação Social, Gabriele Araújo. Registrada na agenda oficial, o encontro tinha como pauta o tema “caminhoneiros autônomos”. Questionado pela PF, ele afirmou que não falou sobre o ato do 7 de setembro na reunião. Outro participante, o empresário Turíbio Torres, disse à PF que não se reuniu com os ministros. “O declarante não se reuniu com autoridades, mas, quando as via, pediu para tirar fotos com elas”.

O inquérito ainda mira uma pessoa próxima da família Bolsonaro — Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio, primo dos filhos do presidente. A PGR identificou que ele também fez convocações para atos antidemocráticos, inclusive divulgando dados para a arrecadação de recursos.A PF ainda vai tomar o depoimento dele.

Procurado, Léo Índio afirmou que não conhece “nenhuma das pessoas citadas na investigação”, disse que divulgou as manifestações “pelo apoio que presto ao presidente” e que não recebeu os valores doados para os atos. O Palácio do Planalto não comentou. Por meio de sua assessoria, o ministro Heleno sustentou que as imagens em que aparecem são apenas “fotos de corredor”. “O general Heleno atende, gentilmente, solicitações de qualquer cidadão”, como faz também em locais públicos.