Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
27 de outubro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do O Globo

BRASÍLIA – Nas duas últimas semanas, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tem feito uma série de encontros com autoridades de diferentes países para retocar a imagem do Brasil, tisnada pelo impacto do desmatamento da Floresta Amazônica no aquecimento global.

A investida tem como estratégia vencer resistências internacionais em relação à política ambiental do governo federal e preparar o terreno para o discurso do presidente Jair Bolsonaro nos próximos dias 22 e 23 na reunião virtual da Cúpula de Líderes sobre o Clima, convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Nessas conversas, o ministro do Meio Ambiente tem reconhecido que o Brasil avançou pouco no combate à devastação da Floresta Amazônia e tem defendido que o país precisa de ajuda financeira, sobretudo das nações desenvolvidas, para fazer mais do que prometeu para debelar o desmatamento.

Para reforçar esse discurso, Bolsonaro preparou uma carta para Biden na qual reafirma o compromisso do Brasil, feito em 2015 no âmbito do Acordo de Paris, de eliminar o desmatamento ilegal até 2030. Essa meta, segundo o presidente, só poderá ser alcançada com o investimento de “recursos vultosos” e com o apoio do governo americano.

Ao Globo, Salles diz que o desembolso internacional é necessário para socorrer moradores da região amazônica que querem sair da criminalidade, mas não têm outra fonte de renda, e para suprir a ausência de apoio de alguns estados.

O ministro também disse ser “absurda, sem fundamento” a acusação de que ele dificultou a ação de órgãos ambientais, presente na notícia-crime enviada pelo agora ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas ao Supremo Tribunal Federal. Nesta quinta-feira, o delegado Alexandre Saraiva foi afastado do posto.

O presidente Jair Bolsonaro escreveu uma carta ao presidente Biden reafirmando o compromisso de eliminar o desmatamento ilegal até 2030. Qual a importância desse gesto?

A carta ao presidente Biden ressalta que as mudanças climáticas vêm sendo causadas sobretudo pelos países ricos e seus combustíveis fósseis. Mesmo assim, o Brasil não se furtará em contribuir para resolver o problema. Da mesma forma, também gostaríamos que os países ricos participassem da solução da falta de desenvolvimento sustentável da Amazônia, principal causa do desmatamento ilegal.

Qual a importância da reunião de cúpula sobre o clima, convocada por Joe Biden, para o Brasil?

Os Estados Unidos voltaram para o Acordo de Paris com a firme decisão de fazer alguma coisa concreta em prol do combate às mudanças climáticas. Qualquer coisa que se faça nesse sentido, o Brasil é parte obrigatória.