Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
25 de junho de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE

Com informações da assessoria

MANAUS – Policiais militares do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAmb), vinculado ao Comando de Policiamento Ambiental (CPAmb), apreenderam, durante ações operacionais na madrugada desta sexta-feira, 7, mais de 600 quilos de carnes de origem ilegal, entre pescado e animais da fauna silvestre, avaliados em quase R$ 10 mil, transportados em duas embarcações, na orla da capital.

Em uma das ações, durante a Operação Hórus, por volta das 6h desta sexta-feira, 7, a equipe do patrulhamento fluvial, com apoio dos cães farejadores da Companhia Independente de Policiamento com Cães (CIPCães), realizou abordagem a um barco tipo recreio, no qual foram encontrados aproximadamente 500 quilos de pirarucu em forma de mantas, encobertas por outros pescados. A carga foi avaliada pelos policiais em mais de R$ 7,5 mil. Diante do flagrante de crime ambiental, o responsável pelo material foi conduzido para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

Em outra ação, por volta das 2h30, também contando com o apoio da CIPCães, após abordagem a uma embarcação oriunda de Beruri, já nas imediações da Feira da Panair, na zona sul, foram encontrados 164 quilos de carne de procedência ilegal, sendo 70 quilos de carne de capivara, quatro de paca e 90 de pirarucu fresco, avaliados em torno de R$ 2.200,00. O responsável pelo material, um homem de 28 anos, foi encaminhado para o 1º DIP.

A Polícia Militar alerta a população que pescar, transportar ou comercializar peixes retirados do ambiente natural em período de defeso, configura crime ambiental, estando o (s) autor (es), sujeito (s) às penalidades previstas na lei. Igualmente comete crime quem age em desacordo com o art. 29 da Lei nº 9605/1998, que tipifica a conduta de “matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente”.