Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
17 de novembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Victória Sales – Da Cenarium

MANAUS – Nessa quinta-feira, 16, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) de Boa Vista, em Roraima, desencadearam a operação “Pulitzer”, que prendeu quatro dos seis policias militares que estavam envolvidos no sequestro do jornalista Romano dos Anjos, então apresentador do programa policial “Mete Bronca”, da TV Record, em Roraima. O profissional da comunicação foi sequestrado na casa onde morava, no dia 26 de outubro de 2020.

De acordo com informações divulgadas pelo portal Poder, a maioria dos investigados trabalhava para o deputado estadual Jalser Renier (Solidariedade), que presidia a Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) na época. Durante a ação, foram cumpridos sete mandados de prisão, sendo seis contra policiais militares e outro contra um ex-servidor da Casa Legislativa. Além disso, 14 mandados de busca e apreensão foram cumpridos na operação.

Leia mais: Jornalista de afiliada da Record TV é encontrado com vida em Roraima após sequestro

Em coletiva de imprensa, o jornalista afirmou que estava mais tranquilo com as prisões e destacou que confia na Justiça para a solução do caso. “O Ministério Público sempre dá um passo seguro para depois dar outro. Acredito que esse foi o primeiro passo para chegar até o mandante”, relatou.

Paulo Cézar de Lima Gomes já estava aposentado da corporação, mas Vilson Carlos Pereira Araújo, major da PM, Nadson José Carvalho Nunes, subtenente da PM, e Clóvis Romero Magalhães Souza, subtenente da PM, ainda estavam atuando. Três mandados não foram cumpridos, sendo eles: Gregory Thomas Brashe Júnior, sargento da PM, Thiago de Oliveira Cavalcante Teles, soldado da PM, e Luciano Benedito Valério, ex-servidor da ALE-RR.

Posicionamento

Procurado pela reportagem da CENARIUM, o deputado Jalser Reiner não respondeu às mensagens por meio do número de final 1811 e até a publicação da matéria na manhã desta sexta-feira, 17, não deu retorno sobre o ocorrido. Por meio de nota, Jalser informou ao portal Poder que estava surpreso e informou que desconhece o teor das investigações. Além disso, explica ainda que a escolha dos policiais segue critérios técnicos e enfatizou que acredita na Justiça e espera que o caso seja esclarecido rapidamente.

Já a Assembleia Legislativa de Roraima informou, por meio de nota, que o caso está sob segredo de Justiça e em investigação pelos órgãos competentes. “O Legislativo reitera que confia no trabalho das instituições para a resolução do caso”, informou a Casa. Ainda em nota, a Assembleia destaca que os investigados não fazem mais parte do quadro de servidores na atual gestão.

Caso

O apresentador Romano dos Anjos foi sequestrado na noite do dia 26 de outubro de 2020 e foi encontrado na manhã do dia 27, com os braços quebrados e amarrados. Ele foi encontrado com vida e em uma região de mata de Boa Vista, quando um homem entrou em contato com a emissora em que o profissional trabalhava. Os suspeitos invadiram a casa do apresentador e abordaram o jornalista e a esposa, que também era apresentadora.

Segundo a diretora de jornalismo na época, Leiliane Matos, a esposa do apresentador Nattacha Vasconcelos destacou que os suspeitos chegaram com xingamentos direcionados ao casal e que portavam armas brancas. Na época, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Roraima (Sinjoper) manifestaram indignação pelo caso e pediram empenho da Justiça e da polícia.

Momento em que o jornalista foi resgatado (Reprodução/ Internet)