Participe do nosso grupo no Whatsapp Participe do nosso grupo no Telegram
7 de dezembro de 2021
Ainda não é assinante
Cenarium? Assine já!
ASSINE
image/svg+xml

Com informações do G1

RIO DE JANEIRO – A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), no Rio de Janeiro, apreendeu as armas dos cinco policiais militares que estavam na região onde as meninas Emilly Victoria, de 4 anos, e Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, de 7, foram mortas na noite de sexta-feira, 4, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A Polícia Civil apreendeu as cinco pistolas e cinco fuzis dos PMs para a realização de perícia. Os policiais também prestaram depoimento.

As duas meninas eram primas e brincavam na porta de casa na comunidade Santo Antônio. Emilly Victoria, que completaria 5 anos esse mês, foi baleada na cabeça. Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos levou um tiro no abdômen. Ambas foram enterradas neste sábado, 5, sob forte comoção.

Pai de Emily é amparado por parentes

Segundo a ONG Rio de Paz, o pai de Emily é ajudante de pedreiro e ajudou a enterrar a filha.

“É isso aí que a gente leva. Duas crianças, minha filha, minha sobrinha. Estou acabando de enterrar, isso fica aí para comunidade, para os governadores”, desabafou o pai enquanto fechava o local onde o caixão da menina foi colocado.

A avó de uma das meninas contou que estava chegando do trabalho. As meninas a esperavam na calçada para comprar um lanche, quando passou um carro da polícia, por volta das 20h.

Os familiares disseram que não sabiam se havia algum tipo de perseguição e contaram que viram a polícia atirando.

“Estava chegando do trabalho e saltei do ônibus. Eu escutei no mínimo dez disparos. O ônibus passou e a blazer estava parada e deu aquele arranco para sair. Ele parou em frente à rua e simplesmente efetuou os disparos”, disse Lídia Santos, avó de Rebeca.

Os familiares não sabem dizer se havia algum tipo de perseguição na hora.

O que diz a polícia

A Polícia Militar afirma que uma equipe do 15º Batalhão (Duque de Caxias) estava fazendo um patrulhamento na Rua Lauro Sodré, na altura da comunidade do Sapinho, quando foram ouvidos disparos de arma de fogo. Segundo a PM, os agentes não dispararam.

Ainda de acordo com os moradores, foram os vizinhos que levaram as vítimas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Sarapuí.

“Posteriormente, o batalhão foi acionado para verificar a entrada de duas pessoas feridas na UPA Caxias II (Sarapuí). No local, o fato foi constatado e tratavam-se de duas crianças”, diz a nota.

Violência x crianças

Nas redes sociais, a ONG Rio da Paz falou sobre a violência na cidade e a morte das meninas na Baixada Fluminense.

“Sempre que essas mortes ocorrem pensamos que tudo vai mudar, uma vez que a face mais hedionda da criminalidade no Rio é a morte por bala perdida desses meninos e meninas. Contudo, nada muda. Famílias permanecem desamparadas, a autoria dos homicídios não é elucidada, os assassinos não são punidos e nenhuma transformação ocorre na política de segurança pública. Vale lembrar que quem morre são crianças pobres. Nisso reside a razão da indiferença por por parte das autoridades públicas”, disse o presidente da ONG, Antonio Carlos Costa.

O Rio de Paz acompanha os casos de crianças mortas vítimas de armas de fogo desde 2007. A triste estatística, segundo a ONG, contabiliza, desde então, 79 acrianças vítimas da violência no Rio, a maioria delas por balas perdidas. Com esses casos, só este ano (2020), sobe para 12 o número de crianças mortas por armas de fogo no estado do Rio de janeiro até este sábado (5), ou seja, uma por mês, de acordo com estatísticas da ONG Rio de Paz. Em 2019, sete crianças foram assassinadas. Entre janeiro de 2019 (início do então governo Wilson Witzel) até este sábado, 5, foram 19 crianças mortas.